por: Viagem e Gastronomia Viagem e Gastronomia

A corrida contra o tempo para salvar Pompeia, na Itália

Nos últimos meses, inúmeras e espantosas novidades emergiram dos escombros da cidade. Arqueólogos trabalham para trazer a história à tona e, principalmente, preservá-la

Ouvir notícia
(Foto: Getty Images)

Por Julia Buckley

Os corpos de um homem rico e seu servo escravizado caídos ao pé de uma escada; um antigo  afresco vindo à tona; um cavalo puro-sangue que teve seu corpo descoberto 2 mil anos depois. Até mesmo uma pichação feita a carvão que muda tudo o que sabíamos sobre a cidade de Pompeia e a erupção vulcânica que a destruiu; uma carruagem cerimonial feita de bronze e estanho, quase totalmente intacta.

Parece que, recentemente, cada mês que passa revela uma descoberta que altera a história da antiga cidade romana, que foi destruída em 79 d.C., quando o Monte Vesúvio entrou em erupção. Artifícios para nos distrair dos males da pandemia? Um repentino interesse global pela história antiga? A ascensão das mídias sociais, fazendo com que fotos de cavalos antigos se tornem virais? Nem tanto. O motivo de tanta coisa estar aparecendo e ganhando destaque é que, nos últimos anos, Pompeia passou por suas primeiras grandes escavações depois de décadas.

“As escavações que estão fazendo agora são as maiores em pelo menos 50 anos”, disse Stephen Kay, oficial de arqueologia da Escola Britânica de Roma, que supervisionou uma escavação no local entre 2015 e 2017. “Para todos nós, do público aos arqueólogos, as novas escavações são fascinantes. É a primeira vez na minha vida que estão cavando de cima para baixo, do campo para a cidade.”

Vítima coberta de cinzas (foto: Getty Images)

Partes da cidade ainda estão debaixo da terra

Os visitantes de Pompeia – uma das principais atrações turísticas da Itália – costumam se surpreender com seu tamanho. A cidade antiga é grande o suficiente para se perder e, certamente, grande o suficiente para que seja conhecida em detalhes só depois de um prolongado tour. “É difícil imaginar o quão grande é Pompeia, mesmo para quem a conhece um pouco”, diz a guia turística de Nápoles, Fiorella Squillante.

Mas o que os visitantes muitas vezes não percebem é que apenas dois terços (44 hectares) da antiga cidade foram escavados. O restante – 22 hectares – ainda está coberto por destroços da erupção que a acometeu  há quase 2 mil anos.

E embora haja um consenso na comunidade internacional de que é melhor deixar o resto intocado, a parte mais profunda da cidade parece estar muito mais preservada do que aquilo que já foi escavado. Em 2017, os arqueólogos começaram a escavar uma nova seção. Antes disso, as escavações modernas revisitavam edifícios e áreas já escavadas no passado.

Leia mais:
As ilhas na Itália que não foram atingidas pela Covid-19
As 3 melhores ilhas de Sardenha, na Itália
Antártida: o mais isolado e intrigante continente do mundo
Maior ilha das Bahamas será leiloada

Em vez de descobrir novos edifícios, pinturas coloridas de parede ou corpos daqueles que morreram tragicamente pela erupção, estudos nos últimos anos têm olhado para os detalhes que podem ter sido perdidos antes. O trabalho de Kay, no cemitério em torno dos portões de Porta Nola, examinou o “tipo e a classe dos sepultamentos”, por exemplo. A área já havia sido escavada, mas eles voltaram a se debruçar sobre o local com técnicas modernas.

“Encontramos mais sepulturas do que as que foram retiradas nas escavações de 1974 e 1975”, diz ele. Os pesquisadores encontraram um raro exemplo de sepultamento de bebês, com seus restos mortais colocados para descansar em uma ânfora (foto), uma espécie de vaso ovóide com alças, muito visto em pinturas antigas. Mas entre os achados não há nenhuma vítima das erupções que não teria sido encontrada durante as escavações anteriores.

Ânforas, uma espécie de vaso ovóide com alças, muito vistas em pinturas antigas (foto: Getty Images)

A corrida para salvar a cidade antiga

Pode parecer contraditório, mas as descobertas que vêm à tona hoje só foram possíveis por conta dos danos recentes a Pompeia. Em 2010, o sítio ganhou as manchetes em todo o mundo quando a Schola Armaturarum – o antigo quartel dos gladiadores – entrou em colapso.

O então presidente da Itália, Giorgio Napolitano, disse: “Todos nós devemos sentir vergonha pelo que aconteceu”. O dano foi considerado tão desastroso para o patrimônio mundial que, no ano seguinte, a União Europeia e o estado italiano reservaram 105 milhões de euros (US $ 127 milhões) para financiar os esforços de preservação no Projeto Grande Pompeia.

O dinheiro foi dado para escorar e preservar as partes da cidade que já haviam sido descobertas, ao invés de escavar novas áreas. Mas aconteceu que os danos às estruturas existentes na parte nordeste do local estavam sendo causados ​​pela pressão exercida pela massa física da parte subterrânea da cidade, que não havia sido escavada. Essa massa, feita da acumulação ao longo de dois milênios de sujeira, terra e materiais de a erupção, estava pressionando as paredes milenares.

Além do que havia se acumulado naturalmente, os primeiros arqueólogos também despejaram terra de suas escavações, o que significa que havia ainda mais massa empurrando os edifícios. E por causa da má drenagem, a chuva foi particularmente prejudicial para o local. Para estabilizar a parte escavada da cidade, decidiu-se escavar o perímetro de três quilômetros ao redor da parte não escavada – conhecida como Regio V – deixando um espaço entre as ruínas e aquele terço da cidade que nunca foi explorado.

Além do mais, era necessária uma escavação completa da área de 1 mil metros quadrados para proteger as estruturas em pé das ruínas ao redor. Tudo isso significa que, de 2017 a 2019, Pompeia viu o tipo de escavações que não eram feitas desde o período pré-guerra.

Escavando a ‘nova’ cidade

Para começar, a terra deslocada de escavações anteriores teve que ser removida. Dentro dela, os arqueólogos encontraram itens como ânforas, tijolos e fragmentos de estuque – o tipo de objetos menos glamorosos que os primeiros exploradores costumavam descartar. E, então, atingiram a cidade abaixo, que nunca havia sido explorada. “Ao empurrar a linha de exploração para baixo em até 10 metros foram descobertos novos edifícios porque este era o meio da cidade”, diz Stephen Kay.

Na verdade, essa área trouxe à luz duas casas novas: a Casa del Giardino (casa com jardim) e a Casa di Giove (casa de Júpiter), ambas ricas em arte. As descobertas na Casa di Giove incluem um afresco de gladiadores (perto do quartel dos gladiadores que desabou, acredita-se que seja um lugar que eles frequentavam); inscrições eleitorais exortando os passantes a votarem em candidatos específicos; e o esqueleto de uma pessoa que foge da erupção, carregando uma bolsa com moedas de bronze e prata. Esta é a pessoa que originalmente foi presumida como tendo sido esmagada pela pedra encontrada no topo de sua cabeça, embora descobertas posteriores revelassem que ele havia sido asfixiado pelo fluxo piroclástico – a mistura quente de gás, lava e detritos lançados por Vesúvio no segundo e último estágio da erupção.

Enquanto isso, a Casa del Giardino – assim chamada por seu jardim com um pórtico com afrescos – descobriu-se os restos mortais de cinco indivíduos, que tentavam se proteger na erupção em uma sala; um baú de tesouro de pedras preciosas e amuletos; e afrescos incluindo o retrato de uma mulher, provavelmente a dona da casa. Essa casa também mudou tudo o que sabemos sobre Pompeia, graças a uma inscrição de grafite em carvão datada de meados de outubro de 79 d.C.

Até agora, os historiadores sempre consideraram a data da erupção como 24 de agosto, após um relato em primeira mão do escritor romano Plínio, o Jovem. Porém, os arqueólogos agora acreditam que aconteceu em 24 de outubro.

Afresco sobre Leda e o Cisne, descrito como uma obra de arte de “profunda sensualidade” por Massimo Osanna, diretor-geral do Parque Arqueológico de Pompeia (foto: Parco Archeologico di Pompei)

Em outra rua recém-escavada, surgiu uma casa com o afresco sobre Leda e o Cisne, descrito como uma obra de arte de “profunda sensualidade” por Massimo Osanna, diretor-geral do Parque Arqueológico de Pompeia. A mesma casa também contém uma pintura de Narciso olhando para seu reflexo e uma imagem picante do deus  da fertilidade Príapo, pesando seu próprio apêndice em uma balança.

A corrida para evitar saques

Enquanto as escavações Regio V terminaram em 2019, o trabalho continua em Civita Giuliana, cerca de 700 metros além das antigas muralhas da cidade. É neste lugar que, em março de 2021, foi anunciada a última descoberta: uma carruagem cerimonial, com cordas e florais. O diretor do parque, Massimo Osanna, chamou-a de “uma descoberta extraordinária para o avanço de nosso conhecimento sobre o mundo antigo”.

Na época dos romanos, essa era uma parte do campo conhecida por suas extensas vilas e fazendas pertencentes a ricos residentes de Pompéia. Mas a sua localização fora das muralhas da cidade significa que, hoje, a área não tem a proteção que a cidade goza. E isso significa que é suscetível a criminosos.

Escavações em 1907 e 1908 revelaram 15 quartos de uma grande vila. Mas como as pessoas sabiam que havia ruínas ali, túneis ilegais foram construídos para facilitar saques às propriedades. Os túneis destruíram parte das paredes do perímetro e danificaram o gesso. Artefatos também foram roubados.

Em 2017, o parque arqueológico e o Ministério Público de Torre Annunziata iniciaram suas próprias escavações em uma corrida para chegar até o local antes dos criminosos. O que surgiu é uma pequena propriedade rural preservada de forma surpreendente. Gesso usando a técnica desenvolvida pelo diretor de escavações de Pompeia no século 19, Giuseppe Fiorelli – onde os arqueólogos colocam gesso em buracos vazios deixados por matéria orgânica – revelaram uma cama em um dos quartos, junto com uma esteira e uma janela em arco ainda intacta. Existem ânforas, utensílios de cozinha e ossos de animais.

O estábulo revelou comedouros e os corpos de três cavalos puro-sangue, mortos na erupção, um ainda usando freio e arreios. O que se imagina ser uma sela. E, em novembro de 2020, uma razão pela qual o cavalo poderia ter sido selado tornou-se aparente. Em um corredor coberto na zona “nobre” da vila, onde viviam os proprietários, foram encontrados os corpos de dois homens. Acredita-se que um, entre 30 e 40 anos, seja o proprietário da vila. O outro, entre 18 e 23 anos, teria sido escravizado. Ele parecia estar carregando um manto grosso enquanto corriam para escapar da erupção.

Os corpos cavalo puro-sangue foram descobertos na escavação em Civita Giuliana (foto: Parco Archeological di Pompeii)

A carruagem foi encontrada perto do estábulo em uma varanda, que provavelmente dava para um pátio. Foi descoberto pela primeira vez em 7 de janeiro.

Uma experiência emocional

As novas descobertas, uma após a outra, chegaram às manchetes em todo o mundo e mudaram o clima em Pompeia, segundo Fiorella Squillante, que guia os turistas por lá quase diariamente.

“Durante as escavações do Regio V, a Via del Vesuvio [uma das principais ruas de Pompeia] foi fechada, mas, mesmo assim, vendo as obras acontecendo à distância, em uma área que antes estava coberta de romãs, arbustos de alecrim e assim por diante, foi emocionante”, disse. “Quando reabriram a rua, foi muito emocionante caminhar por ela novamente. Voltamos para ver os prédios de lá com uma paixão renovada.

“Tenho sugerido muitas vezes aos meus clientes que visitemos a casa com Leda e o Cisne. Cada vez é uma nova emoção. Olhar para os materiais vulcânicos, que ainda cobrem grande parte da casa, é surpreendente e me faz pensar na enorme empolgação que as pessoas que visitaram Pompeia nos séculos anteriores teriam experimentado.

“Há dez anos, o colapso da Schola Armaturarum correu o mundo e eu recebi e-mails e telefonemas de viajantes perguntando se ainda valia a pena visitar o local. “Obviamente, o colapso foi terrivelmente triste para todos nós, mas apenas levou ao fechamento uma pequena área.”

Uma das ruas de Pompeia (foto: Getty Images)

E essa é a questão de Pompeia, de acordo com os que trabalham lá. Embora as novas descobertas ligadas às erupções cheguem às manchetes, o sítio arqueológico está continuamente trazendo surpresas.

Caitlín E. Barrett, professora associada da Universidade de Cornell, é codiretora de uma escavação na Casa della Regina Carolina. Ela recebeu uma bolsa da National Geographic Society para estudar diariamente a vida de Pompeia por meio dos restos mortais encontrados.

A casa que ela estava escavando há dois verões – mas que não pode seguir explorando esse ano, como era planejado por conta da pandemia – é uma das maiores da cidade e foi escavada pela primeira vez no século 18. Mas os primeiros exploradores “não estavam tipicamente interessados ​​nos restos menos chamativos”, diz ela, observando que aqueles que escavavam para a família real Bourbon estavam “principalmente interessados ​​em encontrar belas obras de arte para expor”. As equipes atuais, no entanto, querem “informações sobre como vivam as pessoas naquele tempo “.

Sua equipe está usando técnicas modernas para estudar o jardim e recriar a vida cotidiana antes da erupção. “Sabemos muito sobre Pompeia quando o Vesúvio entrou em erupção, mas menos sobre sua história anterior”, diz ela. As escavações modernas, como as de Barrett e Stephen Kay, usam tecnologia moderna para obter uma visão diferente dos restos mortais que já eram conhecidos. E o interesse deles também vem de um lugar diferente. “Quando as pessoas começaram a cavar em Pompeia, o foco era encontrar coisas que correspondessem às percepções contemporâneas de beleza”, diz Barrett.

“Hoje, os arqueólogos tentam entender as sociedades antigas estudando todo o registro material – não apenas os objetos bonitos ou luxuosos, mas também os pedaços quebrados de cerâmica para cozinhar, os ossos de animais jogados no lixo, os grãos microscópicos de pólen no solo, e muito mais.”

As descobertas mais emocionantes de ver

Tudo bem, mas com o que exatamente os especialistas estão tão animados? Caitlín Barrett está entusiasmada com uma coleção de amuletos e contas que foi desenterrada na Casa del Giardino, porque “podemos usar o estudo da magia ancestral e dos rituais pessoais como uma forma de compreender quais eram as expectativas e os medos das pessoas – e eles muitas vezes acabam sendo muito parecidos com os nossos. ”

Para Stephen Kay, entretanto, é a inscrição em carvão mudando a data da erupção de agosto para outubro. “Sempre confiamos naquela passagem de Plínio, escrita 25 anos depois, mas agora ver informações que saem assim é absolutamente incrível – é uma descoberta completamente impressionante”, diz ele.

Antigo afresco

O futuro de Pompeia
O futuro reserva? Possivelmente, não muito mais trabalho de escavação, para começar. “Seria incrível ver as outras partes [enterradas] da cidade, mas depende de quão viável isso é”, diz Stephen Kay – apontando para os US$ 127 milhões do Projeto Grande Pompeia que já foram aplicados. “Nossa responsabilidade no momento é conservar o que temos, em vez de descobrir mais”, diz ela.

Barrett concorda: “Acho que as descobertas do Projeto Grande Pompeia vão inspirar pesquisas por muito tempo.” Para Fiorella Squillante, Pompeia é um lugar em constante mudança que continuará a se transformar, mesmo que o último terço nunca seja escavado.

“Todo mundo já ouviu falar de Pompeia, mas o que as pessoas nunca esperam é que ainda seja uma cidade viva, cuja imagem muda e continuará mudando, porque sua história ainda não foi escrita”, diz ela. “As novas descobertas, mas também as áreas escavadas no passado, mudam continuamente, porque aprendemos a lê-las de uma forma diferente, dependendo de novos estudos e novos equipamentos. Isso torna tudo completamente único.

“Mesmo aqueles de nós que a vivemos no dia a dia de trabalho, aproximamo-nos dela com um espanto renovado. Sabemos que embora seja uma cidade do passado, nós – e ainda mais as gerações futuras – também a viveremos no futuro.”

Esta reportagem foi publicada pela primeira vez em dezembro de 2020. Ela foi atualizada em março de 2021.

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês).

Mais Recentes da CNN