por: Viagem e Gastronomia Viagem e Gastronomia

Deleite aos olhos: livros misturam receitas saborosas com deliciosas histórias

Metade receita, metade ficção. Essas publicações reunidas abaixo estão recheadas de histórias permeadas por preparos culinários, todos caprichosamente temperados com humor, romance, e cozidos em palavras brandas

Ouvir notícia
Foto: Unsplash/Divulgação

Receita bem que poderia ser uma história com final feliz. Ainda que, por vezes, se erre doses e medidas e isso te faça recomeçar, em algum momento, dará certo. Não te parece também parábola da vida? Mas, por ora, vamos deixar as reflexões de lado e retomá-las quando estivermos acompanhados de chá ou café coado.

O foco aqui são publicações que misturam deliciosamente caderno de receitas com romances, de maneira que um não “dá liga” sem o outro. Os momentos na cozinha relatados pelas autoras dessas obras a seguir reservam maneiras de preparo, ensinamentos gastronômicos, além de generosas pitadas de truques e dicas que transformam o prato em, também, uma reunião de ingredientes afetuosos. Afeto, aliás, é parte indispensável a todos os preparos e relatos contatos nas páginas desses livros. Nessa jornada culinária, misturam-se aventuras, desabafos, contos, crônicas, histórias, e o resultado não poderia ser diferente: o despertar de uma verdadeira fome de leitura.

“Não se pode pensar bem, amar bem, dormir bem, se não se jantou bem”
Virginia Woolf em ‘Um teto todo seu’

Papel-manteiga para embrulhar segredos: cartas culinárias

Capa do livro Papel-manteiga para embrulhar segredos, de Cristiane Lisbôa (Foto: Divulgação)

O terceiro livro da escritora Cristiane Lisbôa te leva para a vida repleta de sentimentos de uma moça, a Antônia, que foge de casa para estudar gastronomia no lar e, também, restaurante da renomada e excêntrica chef Senhorita Virgínia. Ali, vendo de pertinho o preparo e o jeito admirável da idosa entre as panelas e temperos, descobre que gosta mesmo é de comida, fogo e aromas. Exatamente nesta ordem. O romance é contado através de cartas que Antônia envia para sua bisavó. Não há datas, não se sabe exatamente onde ela está e as receitas, todas bem detalhadas, são contrabandeadas através destas cartas. Para além de doses, medidas e quantidades, os preparos recebem punhados generosos de bom humor e graça, como se testemunha neste conselho que veio junto com o preparo do Frango Pirata (com Rum e Nozes):

Corte o frango, misture o alho, o rum, o tomilho e as raspas de limão e coloque em um recipiente com tampa ou em saco plástico. Deixe marinar por duas horas. Em uma tigela, misture a farinha com as nozes e o queijo ralado. Passe o frango na mistura e asse em forno quente por 25 minutos ou até ficar assado, porém macio. Dá tempo de colher flores no jardim para enfeitar a mesa.
Lembrança da Virgínia:
Não se esqueça de tomar um copo inteiro de rum enquanto cozinha. Pode dançar se quiser.

No cardápio estão delícias da culinária internacional e vão desde uma simples sobremesa como Ambrosia, passando por acompanhamentos como Batatas Gratinadas até sofisticados pratos principais como Guisado de Cabrito com Anis Estrelado.

Papel-manteiga para embrulhar segredos: cartas culinárias, de Cristiane Lisbôa
Editora Memória Visual
Receitas assinadas por Tatiana Damberg

R$ 25,00

Leia mais
Acervo pessoal de Vinicius de Moraes é disponibilizado online
Conheça a livraria em São Paulo que reúne somente livros escritos por mulheres
Itália inaugura museu dedicado à vida e obra do cineasta Federico Fellini

Restaurado, palacete histórico em Higienópolis, SP, se transforma em centro cultural

Não é sopa

Livro Não é Sopa, de Nina Horta (Divulgação)
Capa do livro Não é Sopa, de Nina Horta (Foto: Divulgação)

Sabe informações e detalhes imprescindíveis que surgem durante uma leitura e que precisam ser anotados para não serem esquecidos? O Não é Sopa é recheado delas e é um dos grandes charmes do livro. A publicação, na verdade, reúne ótimas crônicas e receitas culinárias de encher os olhos que Nina Horta vem publicando no jornal Folha de S. Paulo desde 1987.

Escrito numa prosa viva, saborosa e cheias de informações históricas e culturais, a autora enfrenta os mesmos problemas que todos nós diante do fogão ao mesmo tempo que apresenta um cardápio variado, que vai de bacalhoada a paçoca, para satisfazer aos mais diferentes paladares. Com bom humor, a autora revela, por exemplo, como se sente alguém que come sozinho em um restaurante, ou discute temas difíceis, como o que fazer na hora de cuspir o caroço da azeitona. É pauta também o pastel de feira, o torresmo de padaria e algumas implicâncias culinárias suas, como a abobrinha, o pepino e o frango com catupiry. Com insights bem recheados, faz-se também uma viagem multicultural através dos pratos indianos ou balineses. Todo esse preparo literário é relatado de maneira divertida e simples, porque, como Nina Horta mesmo disse “esnoberia em matéria de comida é aberração”.

Não é Sopa, de Nina Horta
Editora Companhia das Letras
Impresso: R$64,90

A peleja do alecrim com o coentro e outros causos culinários: receitas e cordel

Capa do livro A peleja do alecrim com o coentro, de Tatiana Damberg (Foto: Divulgação)

A autora e chef Tatiana Damberg mistura as rimas bem-humoradas da literatura de cordel com a personalidade forte da culinária nordestina. O resultado, como bem pontua, não tem a pretensão de ser um registro histórico da gastronomia local ou da literatura de cordel, mas de fazer deste livro de receitas uma viagem repleta de sabores inspirados nas cidades do nordeste.

O livro está dividido entre combinações salgadas – e apimentadas – e misturas açucaradas para dar vida a sobremesas. Pelas páginas, há também receitas de canapés de feijão verde com jerimum e cebola roxa caramelada, almôndegas de charque no molho de jerimum, arroz de cuxá, cupcake de puba com goiabada, biscoitos mascavados com cacau e até um delicioso sorvete de tapioca.

A peleja do alecrim com o coentro e outros causos culinários: receitas e cordel, de Tatiana Damberg
Editora Memória Visual
R$ 26,00

Minha cozinha em Berlim

Capa do livro Minha Cozinha em Berlim, de Luisa Weiss (Foto: Divulgação)

A deliciosa narrativa de Luisa Weiss nos traz a história de uma jovem romântica e confusa, viajante apaixonada, cidadã itinerante e cozinheira perfeccionista que decide jogar tudo para o alto – sua vida certinha em Nova York, o emprego dos sonhos e o namorado – para ir em busca de uma vida nova, que traga de volta o gostinho de sua infância em Berlim. Entre uma receita e outra, será impossível não ficar com água na boca de provar a torta de maçã com “a massa mais leve de todos os tempos.”

Além de escritora e cozinheira, Luisa Weiss começou em 2005, o
blog The Wednesday Chef, também perfil no Instagram, onde compartilha com seus seguidores frames de sua vida em família misturados com cliques certeiros de seus preparos ou achados culinários.

Minha Cozinha em Berlim, de Luisa Weiss
Editora Zahar
Tradução: Juliana Romeiro
Consultora gastronômica: Flávia G. Pantoja
Impresso: R$39,90
E-book: R$27,90

Piquenique na Provence

Livro Piquenique na Provence
Capa do livro Piquenique na Provence, de Elizabeth Bard (Foto: Divulgação)

“Piquenique na Provence é um livro para ser saboreado lenta e cuidadosamente.” diz assim na contra capa da publicação. Não à toa, conselho igual poderia se dar também a algumas práticas gastronômicas, como quando tomamos um sorvete, nos deliciamos com uma torta de chocolate ou um belíssimo pedaço de pizza. De comer com todos os sentidos aguçados. Pode-se ser assim também em momentos de prazer e beleza, tais como no calor de dias ensolarados, diante do perfume da lavanda, dos sabores da boa mesa, do toque suave da mão de uma criança. Os apelos sensoriais se intensificam neste trabalho da  jornalista norte-americana Elizabeth Bard diante das diferenças de cultura e das descobertas que ela faz quando troca Paris por uma localidade na Provence. Foi na capital francesa que ela se apaixonou por Gwandel, o que a fez mudar-se para a França.

Alguns anos mais tarde, às vésperas do nascimento do filho, o casal viaja em férias para a cidadezinha de Cereste. Abraçar a cultura francesa, segundo Elizabeth, é acostumar-se a um cotidiano em que a boa mesa tem importância fundamental. Acontece, assim, uma bonita entrega aos pratos típicos da região, cujo preparo é explicado em receitas tentadoras que encerram cada capítulo. O projeto de vida à francesa se consolida depois que o marido deixa o cargo de executivo numa companhia cinematográfica para abrir uma sorveteria artesanal.

Piquenique na Provence, de Elizabeth Bard
Editora Rocco
Impresso: R$39,90

 

Mais Recentes da CNN