por: Viagem e Gastronomia Viagem e Gastronomia

O que os comissários de bordo desejam que você saiba antes de viajar nestas férias

Em 2021, mais de 5 mil reclamações foram enviadas à Administração Federal de Aviação sobre passageiros que perturbaram voos nos Estados Unidos; confira dicas de como evitar confusão

Reprodução/CNN

Sandee LaMotteda CNN

Ouvir notícia

O check list para viagens de avião para a temporada de férias deste ano será longo. Máscara confortável e de alta qualidade, desinfetante para as mãos, chegada antecipada ao aeroporto, e roupas, sapatos, laptop e artigos fáceis de remover para o controle de segurança.

No entanto, de acordo com os comissários de bordo, o pré-planejamento de uma viagem pode não deixar os viajantes preparados para a realidade de voar em 2021 – e não estamos falando apenas sobre Covid-19.

“Você com certeza deve ter assistido notícias sobre passageiros que perturbam ou que geram conflitos a bordo de companhias aéreas neste ano”, disse Sara Nelson, presidente internacional da Association of Flight Attendants-CWA, que representa cerca de 50.000 comissários de bordo em 17 companhias aéreas.

“Houve mais de 5.000 relatórios de passageiros que perturbaram voos, enviados à Administração Federal de Aviação desde o início de 2021”, disse Nelson. “São mais reclamações em 2021 do que toda a história de 31 anos de registro de tais comportamentos. E nem terminamos o ano ainda!”

A CNN conversou com Nelson sobre o que os comissários querem que saibamos sobre passageiros inconvenientes antes de embarcarmos em um avião para visitar amigos e parentes nestas férias.

CNN: Dados da FAA mostram que mais de 70% dos incidentes em aviões teve como tema as máscaras. Por que você acha que isso está acontecendo?
Sara Nelson: Em primeiro lugar, é muito provável que muitas pessoas estejam viajando pela primeira vez desde o início da pandemia. E eles se esqueceram, ou simplesmente não sabem, que as viagens aéreas têm todo um conjunto de regras para manter a segurança de todos.

Você tem que passar pela segurança e praticamente se despir para mostrar que não é uma ameaça. Você não pode fumar – já fazíamos isso há muito tempo. Todo mundo tem que usar o cinto de segurança e colocar seus assentos e bandejas para cima.

Eles também têm que usar uma máscara desde o momento em que colocam os pés no aeroporto até que saiam do próximo aeroporto no final da viagem. E, a propósito, isso não é mais uma política da companhia aérea, é uma exigência federal desde fevereiro (nos Estados Unidos).

Essas regras federais existem para garantir que estejamos mantendo um espaço seguro para todos que estão viajando, porque nem todos podem ser vacinados ainda. E é muito importante que as pessoas entendam por que as regras estão em vigor. É por isso que estou colocando tanta ênfase nisso.

Nós realmente não estaremos seguros a menos que todos sigam as regras e abordemos isso com o espírito de que estamos todos juntos nisso.

Mas há algo maior acontecendo aqui. Muitas pessoas estão chateadas com as máscaras porque elas foram consideradas um ponto de gatilho por muitos líderes.

Sou comissária de bordo há 25 anos e, ao longo da minha carreira, quando havia algo acontecendo social ou politicamente neste país, vemos ramificações nos aviões. E isso está absolutamente superalimentado este ano.

Sara Nelson, presidente internacional da Association of Flight Attendants-CWA / Courtesy Association of Flight Attendants-CWA

CNN: Que efeito esses incidentes têm na segurança do avião?
Nelson: Isso está afetando a capacidade dos comissários de bordo de realizar seu trabalho. Antes do 11 de setembro, éramos os primeiros a responder a emergências de segurança e saúde a bordo. Mas depois do 11 de setembro, também nos tornamos a última linha de defesa da segurança da aviação contra o terrorismo.

Essas perturbações a bordo que vêm ocorrendo não são apenas uma ameaça para a tripulação e para você, o aviador, pela possibilidade de pessoas se machucarem diretamente nessas violentas explosões, mas também distraem a tripulação de voo. Eles estão potencialmente nos colocando em uma posição de falta de pistas para outras ameaças, ou ameaças maiores, como um ataque coordenado.

Isso é algo que as pessoas que desejam nos causar um mal maior também estão observando e se perguntando: “Essa é uma nova tática que podemos usar para criar uma distração?”

Bom, não quero que as pessoas pensem nisso quando estiverem voando para ver seus entes queridos. Eu quero ser muito clara sobre isso. Esse é o nosso trabalho para identificar esses problemas.

Mas estou explicando porque quero deixar claro por que levamos esses incidentes tão a sério. Não queremos que ninguém se machuque a bordo. Mas existe uma ameaça maior.

CNN: Os outros passageiros estão em perigo quando essas interrupções ocorrem?
Nelson: Possivelmente. Você pode ser exposto a uma briga direta ou ser espancado por alguém que está se debatendo. Existem incidentes onde o conflito e a violência são passageiros. Tivemos alguns casos em que indivíduos correram para o cockpit. E essa é uma preocupação muito séria.

Certamente você pode ter sua viagem interrompida. Quando alguém se recusa a colocar a máscara ou o cinto de segurança, não vamos nos afastar do portão se ele se recusar a cooperar. E se estiver no ar, e o conflito for ruim o suficiente, seu voo pode ser desviado.

Portanto, você não quer que essas coisas aconteçam em seu avião porque há risco de se machucar e há risco de atrapalhar sua viagem, fazendo com que você perca conexões e eventos familiares.

Agora, o conflito nem sempre tem a ver com máscaras. Alguns dos eventos violentos mais recentes não tiveram nada a ver com máscaras.

As pessoas estão ficando chateadas com qualquer tipo de instrução de segurança: “Coloque sua bandeja para cima. Você poderia, por favor, trazer o seu assento para trás para não ficar de joelhos atrás de você?” Qualquer tipo de instrução.

Em seguida, coloque uma camada de álcool. As pessoas não podem beber sua própria bebida alcoólica em um voo ou mesmo no aeroporto. Eles não têm permissão para servir a si mesmos. E isso é novidade para algumas pessoas.

As pessoas não gostam de ouvir que não podem consumir bebida alcoólica. E o fato de que eles têm bebido também contribui para a encenação, porque eles fazem coisas que talvez não fariam se não estivessem embriagados.

Há também questões de gênero, raça e calúnias homofóbicas, que acompanham as interrupções em 61% dos incidentes, de acordo com uma pesquisa com comissários de bordo.

CNN: Quais são os sinais de alerta de uma situação assim e o que você aconselha as pessoas a fazerem se ocorrer uma durante o voo?
Nelson: Procure comportamentos raivosos, como pessoas xingando. Tivemos pessoas que socaram as costas dos assentos ou acertaram as próprias mãos. Qualquer tipo de comportamento violento ou ameaçador e qualquer tipo de palavrão costuma ser uma pista.

Recomendamos que avise um comissário de bordo ao primeiro sinal de problema para que possamos tentar amenizar a situação. Somos treinados e podemos orientar outras pessoas para ajudar. Portanto, a menos que haja uma ameaça iminente de ferimentos nas pessoas, realmente aconselhamos os passageiros a não tomarem medidas por conta própria, pois podem, inadvertidamente, piorar a situação.

Se você estiver sentado ao lado da briga, não aperte o botão do comissário de bordo, pois isso pode puxá-lo para a situação. Se puder, levante-se e vá a uma cozinha e diga aos membros da tripulação, ou tente avisar com cuidado alguém a alguns assentos de distância para falar com a tripulação ou apertar o botão de chamada.

Olhe em volta e veja se você tem pessoas que possam ajudar, outras testemunhas. Realmente encorajamos as pessoas a serem boas testemunhas.

CNN: E se você estiver viajando com crianças?
Nelson: O melhor a fazer seria tentar sair da situação. Isso pode ser impossível porque você está sentado e não há como contornar. Mova seu filho para a janela ou para qualquer lugar o mais longe possível da ação. Tente cobrir seus filhos e peça ajuda.

Mas quero enfatizar que esses incidentes estão ocorrendo com um grupo relativamente pequeno de pessoas. E a maioria dos passageiros respondem ao tom que é dado a bordo ou no aeroporto, então digo que é preciso tirar alguns minutos para conversar com sua família e pensar em trazer gentileza e paciência para uma viagem.

Se você está sendo uma boa testemunha, estando atento e procurando ser um ajudante, isso criará um tom que o ajudará a tornar sua experiência muito melhor.

Também quero enfatizar que não estamos dispostos a aceitar isso como o novo normal. Continuamos trabalhando com as companhias aéreas, os aeroportos e o governo federal. Uma das coisas que foram muito, muito importantes é que o Departamento de Justiça dos Estados Unidos começou a processar publicamente.

E assim que as pessoas perceberem que há consequências graves, esperamos que isso as ajude a compreender que você não age em um aeroporto ou avião.

*Matéria traduzida. Leia a versão em inglês aqui.

Mais Recentes da CNN