por: Viagem e Gastronomia Viagem e Gastronomia

Luxo na neve: conheça o hotel que os milionários brasileiros adoram em Courchevel

Parte do conglomerado francês LVMH, o Cheval Blanc Courchevel é um dos redutos mais exclusivos da França

Brasileiros, americanos e russos estão entre os hóspedes mais assíduos do Cheval Blanc Courchevel
Brasileiros, americanos e russos estão entre os hóspedes mais assíduos do Cheval Blanc Courchevel Divulgação

Cibele Macietcolaboração para o Viagem & Gastronomia

Paris

Ouvir notícia

Luxo pouco é bobagem. Os hotéis Cheval Blanc, parte do conglomerado de luxo LVMH, são um mundo à parte. O primeiro, fundado em 2006 em Courchevel 1850 (altitude), na Savoie, é um dos carros chefe do grupo, que ainda mantém estabelecimentos em Paris, Saint-Tropez, Randheli (Ilhas Maldivas) e Sain-Barth.

Agora, Cheval Blanc Courchevel, que abre suas portas quatro meses por ano (de dezembro a abril), é um dos poucos palácios da região, além de possuir merecidas três estrelas no Guia Michelin com o 1947, restaurante pilotado por Yannick Alléno. Tudo aqui é feito e pensado para acolher e mimar os clientes, dentre eles inúmeros brasileiros – hóspedes assíduos do lugar.

Para se ter uma ideia da presença de brasileiros na estação de esqui mais luxuosa da Europa, trata-se da nacionalidade mais recebida por aqui, atrás apenas de americanos e oligarcas russos. Logicamente, depois do início da Guerra na Ucrânia, no final do mês passado, o número de clientes russos diminuiu vertiginosamente…Mas isso é outra historia.

Cheval Blanc Courchevel fica dentro do maior domínio esquiável do mundo, o Trois Vallées, apinhado de lojas de grifes como Dior, Bulgari, Vuitton, Fendi, Hublot, Loro Piana, Cartier, Boucheron, Hermès, Chanel, Prada, além de restaurantes e baladas animadas regadas à champanhe até altas horas da manhã.

Para quem é atento, muitas das lojas citadas acima pertencem ao grupo francês de luxo, o que faz da região um reduto LVMH. Bernard Arnault, presidente-diretor geral do conglomerado, terceiro homem mais rico do mundo (depois de Elon Musk, da Tesla, e de Jeff Bezos, da Amazon), reina absoluto no pedaço.

E os números não mentem: o volume de negócios em 2021 do grupo girou em torno de 64,2 bilhões de euros, um aumento de 44% em relação a 2020 e de 20% em relação a 2019 – motivos de sobra para comemorar (com muito champanhe Blanc de Blancs da Ruinart, é claro).

Luxo nos pequenos detalhes

Cheval Blanc Courchevel foi pensando como um chalé de luxo na parte mais alta e chique de Courchevel. Os 36 quartos e suítes foram decorados por Sybille de Margerie, designer de interiores francesa, além do arquiteto americano Peter Marino.

Com materiais como madeira, couro, ferro e aço, o espaço conta ainda com obras de inúmeros artistas como Karl Lagerfeld, Zbigniew Libera, Jean-Michel Othoniel, Xavier Veilhan, Bruno Peinado e Mathias Kiss.

Os tons são aconchegantes e quentes como ocre, marrom, oliva, rosa e bege, além do vermelho do outro restaurante local, o Le Restaurant de Cheval Blanc Courchevel. O terraço, novidade dessa temporada, dá de frente para as pistas do Jardin Alpin e para a tenda da Louis Vuitton, maison-mãe do grupo. Dentro do iglu gigante, peças mostradas em desfiles, objetos e móveis da coleção Objets Nomades e itens de luxo como as luvas de 100% pele de raposa para esquiar (o valor? 875 euros).

Beleza, para quê te quero?

Depois de um dia de muito esporte nas pistas de Courchevel, os hóspedes são convidados para relaxar no spa, assinado pela Guerlain, irmã mais nova do grupo. Com piscina multissensorial, jacuzzi, hammam com cromoterapia, sauna, hot-tube e banya (banho russo com vapores quentes), dá para passar horas por ali antes de se entregar às delicias das inúmeras massagens para fortificar os músculos, embelezar a pele do rosto ou aproveitar dos benefícios das curas invernais proposta pelas especialistas in the house.

John Nollet, cabeleireiro francês star das celebridades de cinema, possui um boudoir no spa do Cheval Blanc. O hair stylist de gente como Mylène Farmer e Vanessa Paradis pode pentear ou cortar os cabelos das clientes – marcando hora com muita antecedência – por 1.000 euros.

Os mimos não param por ai: espalhados pelo hotel, os chamados mordomos e alquimistas desenvolvem experiências para surpreender os hóspedes. As experiências são numerosas, discretas, pessoais e memoráveis: que tal voar ao redor do Mont-Blanc ou deixar os primeiros rastros de esqui nas pistas antes da abertura e dos outros meros mortais? Ou ainda, cozinhar com os melhores chefs do país, ou provar a nova bûche de Noël de Yannick Alléno?

Comida estrelada

No quesito gastronomia, estamos no lugar certo. O tripulante estrelado 1947 tem decoração em madeira, pedra, couro e porcelana, e recebe poucos clientes em suas cinco mesas. A equipe, formada por jovens que saem diretamente de escolas de hotelaria na Suíça e na França, segue uma espécie de coreografia orquestrada para bem servir os sortudos clientes da noite.

Os pratos? Que tal pensar grande e começar por uma sopa de vieiras, biscoito de brioche com aipo, raviólis de frangipane de abóbora, mel e manteiga cítrica, amêndoas amargas, extração de pinheiro em geleia de café, e terminar com um simples creme de chocolate quente? A experiência é excelente, mas prepare o bolso. O menu degustação, com todos os pratos acima e ainda três com Poulet de Bresse (espécie de frango criado em ar livre com a carne ultra macia), não sai por menos de 395 euros.

No bar do château ao som do piano e aquecidos pela lareira, os coquetéis realizados pelo mixologista vêm acompanhados de tartines da Savóia com trufas negras ou creme aigrelette e salmão defumado. Quem quiser dar um tour na loja logo ao lado do bar, poderá degustar charutos cubanos e uísque escocês.

Depois desse tour, ainda há os quartos e suítes, com direito a surpresinhas no banheiro com produtos de beleza Cheval Blanc. Todos com o perfume Mountain Chic, criado especialmente para o hotel, com notas de lenha, laranja, cardamomo, âmbar e patchuli. Além disso, garrafas de champanhe, doces, bolos, chocolates, sucos naturais.

Quer algo mais exclusivo? O L’appartement, chalé de cinco andares com elevador e sala de esqui privé, três quartos, salão triplo de recepção com piano de cauda, sala de jantar, bar, cozinha privativa e terraços com vista para o chique Jardin Alpin. Além disso, dressing, penteadeira e espaço para ioga, coach privado ou massagem. Precisou de um copo de agua? O mordomo esta lá para isso.

Mais Recentes da CNN