por: Viagem e Gastronomia Viagem e Gastronomia

10 dicas incríveis do Japão por Marcelo Fernandes do Kinoshita

De restaurantes a museus: veja essas dicas antes de viajar para o Japão

Ouvir notícia

O empresário Marcelo Fernandes, restauranter do Restaurante Kinoshita, referência na culinária japonesa em São Paulo, listou, em parceria com a Quickly Travel, agência de viagens especialista no destino Japão, 10 dicas incríveis do que fazer no país

Sushi Sawada, em Tóquio

Há muitas opções, centenas, talvez milhares de casas de sushi em Tokyo. Mas uma em especial se destaca das demais e esse local atende pelo nome de Sushi Sawada, que fica no elegante bairro de Ginza. Não é fácil encontrar o local, que é minúsculo. Fazer uma reserva exige outro esforço inimaginável, mas absolutamente compensador. São apenas seis lugares no balcão de madeira clara e o cliente é atendido pelo sushiman Koji Sawada e por sua mulher. Como classificar este momento? Uma experiência de vida, e diria mais: uma experiência única. É o melhor sushi do planeta, muitos dizem. E não é exagero. São duas horas de um ritual silencioso, em comunhão com o alimento e a arte de Sawada. Destaque para o uni (ouriço-do-mar) de Hokkaido. Fresquísimo, ainda com o sabor do mar, que na preparação de Sawada ganha uma leveza ímpar.

Choux-cream do Rokkado, em Tóquio

Choux-cream é uma paixão no Japão. São carolinas recheadas por um levíssimo creme de baunilha. Dentre as dezenas de boas lojas que existem em Ginza, o Rokkado me atraiu de cara, pelo aroma intenso de baunilha, perceptível da rua. O doce é recheado na hora do pedido, para a massa manter a sua crocância.

Ginza Six, em Tóquio

Novo departamento store, que foi construído onde era o Matsuzakaya. O grandioso hall aberto sempre é ocupado por uma grande exposição de arte. Na ocasião, vi obras de Yayoi Kusama, um dos nomes da arte contemporânea do Japão e que classificaria como 3M: Mulher, Maluca, Maravilhosa!

(Foto: divulgação)

Sugalabo, em Tóquio

Yosuke Suga trabalhou com o chef Joël Robuchon por 17 anos. De assistente de Robuchon, Suga passou a ser chef executivo do L’Atelier de Joël Robuchon em Tokyo, além de dar uma mão também em outras unidades do mesmo restaurante em Nova York, Taipei e Paris. Agora instalado em seu espaço, Suga trafega com desenvoltura por ingredientes sazonais, coletados pelo próprio Suga em suas viagens mensais pelo Japão. Os ingredientes ficam dispostos na ampla cozinha aberta e a experiência de se sentar em uma das 20 cadeiras é algo único. É uma sequência de pratos fascinantes e de conceitos inovadores. Mas é um restaurante exclusivo. Só entra por indicação ou convite. Fica em Azabudai, Tokyo. Esteve entre os 50 Melhores Restaurantes da Ásia, em 2019.

Gora Kadan, em Hakone

Um ryokan (hotel em estilo japonês) de primeiríssima qualidade em instalação, serviço e hospitalidade. Atmosfera no melhor estilo tradicional, com muita pedra e madeira. Onsen (banho de águas termais) privativo em área externa, um luxo. Kaiseki, jantar em etapas, maravilhoso.

(Foto: Marcelo Fernandes)

Hakone Open Air Museum, em Hakone

Um museu de esculturas ao ar livre, lindíssimo. Fica em Hakone com 70 mil metros quadrados de área. São 120 obras de artistas contemporâneos japoneses e internacionais para contemplar, como uma coleção de obras de Henry Moore. E ainda tem o Pavilhão Picasso dentro da área.

Monte Fuji, em Yamanashi

Há várias maneiras de se apreciar o Monte Fuji. A região dos lagos oferece vistas espetaculares. Um passeio pelo lago Ashinoko, em uma caravela é bem pitoresco. Optamos por subir no Monte Fuji, de carro, até onde foi possível.

Monte Fuji (Foto: Marcelo Fernandes)

Kitcho, em Quioto

Experiência ímpar em alta cozinha japonesa. O Kitcho foi fundado em 1930, em Osaka, e hoje tem unidades em Tokyo, Kobe, Fukuoka e Kyoto. Fomos na unidade de Arashiyama, que fica em Kyoto, cidade histórica. Atmosfera tradicionalíssima, serviço atencioso de ponta a ponta e a qualidade do Omakasê, refeição em etapas, é de uma perfeição ímpar.

(Foto: divulgação)

Todaiji, em Nara

A estátua do Grande Buda de Nara impressiona pela sua grandiosidade. Para quem viaja ao Japão pela primeira vez, é uma visita obrigatória. Vale também pelo encontro com as dezenas de veados soltos no parque. Eles são considerados animais sagrados.

Nara (Foto: Marcelo Fernandes)

Templos e jardins de Kyoto

São centenas de templos numa cidade só. Difícil escolher. Mas o Kiyomizu-dera é obrigatório, pela imponência e vistas fantásticas que proporciona do ponto mais alto do templo. Também a área do entorno do Kiyomizu vale um passeio demorado. Em Kyoto não deixe de experimentar o tofu, servido em restaurantes especializados. Alguns ficam à beira do rio e proporcionam momentos inesquecíveis.

Sukiyaki no Imahan, Hakoem Tóquio

O bairro é Ningyo-cho, com seu casario tradicional, que ainda preserva os ares da era Edo. Casas de sukiyaki existem centenas em Tokyo, mas este é especial. A casa começou como loja de carnes, essa atividade ainda existe, mas agora se notabilizou por servir sukiyaki e shabu-shabu, duas modalidades da culinária japonesa que emprega a carne. Aqui, fomos servidos com o wagyu, a carne nobre e especialmente marmorizada que só os japoneses sabem fazer.

Mais Recentes da CNN