Fontana di Trevi “esconde” sítio arqueológico em seu subsolo

Aberto para visitação, o Vicus Caprarius guarda itens preciosos, que ajudam a contar a história da Roma antiga, como um aqueduto, estátuas, moedas e itens do dia a dia

Fontana di Trevi
Fontana di Trevi Unsplash

CNN Viagem & Gastronomia

Ouvir notícia
Fontana di Trevi guarda subsolo histórico e aberto à visitação Foto: Unsplash

Se você nunca foi, já deve, ao menos, ter ouvido falar da Fontana di Trevi, fonte do século XVIII construída em Roma, na Itália, monumento histórico e um dos principais pontos turísticos da cidade. Famosa pela sua arquitetura, beleza, esculturas, por ser detentora da admiração de turistas e moradores e ajudar a contar a rica história romana.

E, você sabia que em seu subsolo esconde-se um fascinante sítio arqueológico?

Pelo espaço histórico percebe-se vestígios do que chama-se de insula – algo como um prédio popular (Foto: Divulgação/Vicus Caprarius)

Chamado de Vicus Caprarius – ou Cidade das Águas – a área foi descoberta entre 1999 e 2001, durante a reforma do pequeno Cinema Trevi. Está a nove metros de profundidade da fonte e guarda obras da era imperial, um verdadeiro testemunho da vida urbana da Roma antiga.

Leia mais
Itália planeja atrair turistas com sua própria versão de Alcatraz
House of Gucci: conheça os cenários na Itália onde o filme foi gravado
Itália proíbe entrada de grandes cruzeiros nos canais de Veneza
Comunas italianas querem pagar metade do seu aluguel para que você trabalhe em home office

O termo “Cidade das Águas”, aliás, foi dado porque a água que alimenta a Fontana vem do Aqua Virgo, um dos onze aquedutos – uma das maiores construções da engenharia romana – que abasteciam a cidade antigamente, e que foi encontrado nas escavações.

Pelo espaço histórico percebe-se vestígios do que chamava-se de insula – algo como um prédio popular -, além de achados preciosos: peças em mármore, decorações refinadas, como a famosa cabeça de Alessandro Hélio, um dos filhos gêmeos de Cleópatra e Marco Antônio, ânforas africanas para transportar óleo, estátuas, jarros, facas e garfos, e mais de 800 moedas, que nos contam sobre o tempo das estruturas encontradas.

O passeio custa 4 euros e é todo trilhado sobre uma espécie de ponte construída para que os visitantes pudessem transitar pelo local sem “esbarrar” em nenhuma obra. Para ver mais fotos e vídeos, o Instagram do destino reúne boas imagens.


Acompanhe CNN Viagem & Gastronomia em todas as plataformas:
Instagram
Tiktok
Pinterest
Youtube

Mais Recentes da CNN