Fernando de Noronha: o paraíso brasileiro

Patrimônio Mundial Natural da humanidade, arquipélago une aventura, calmaria, natureza exuberante, belas (e premiadas) praias e um pôr do sol admirável. O destino é um choque de beleza!

Daniela Filomeno no mirante (Foto: CNN Viagem&Gastronomia)
Daniela Filomeno no mirante (Foto: CNN Viagem&Gastronomia)

Ouvir notícia
Daniela Filomeno no mirante do Morro Dois Irmãos (Foto: CNN Viagem&Gastronomia)

Visitei no programa CNN Viagem&Gastronomia um dos destinos mais cobiçados do mundo, a linda Fernando de Noronha, em Pernambuco, no nordeste do Brasil. O arquipélago oferece tantos atrativos que mereceu dois programas só dele.

Aliás, não há como definir em poucas palavras as sensações que Fernando de Noronha desperta em quem a visita. Paradisíaco, dos sonhos, incrível… são alguns dos atributos que tentam traduzir o impacto de se estar no arquipélago pernambucano, distante cerca de 545 quilômetros da capital Recife.

Com suas praias intocadas, formações rochosas estonteantes e uma vida marinha bem preservada, a “Esmeralda do Atlântico”, como é apelidada, é facilmente um dos locais mais desejados do Brasil e do mundo. Junte o tom azul-turquesa das águas, a natureza exuberante, o nascer e o pôr do sol dali e você entenderá o porquê o destino é tão cobiçado! Tudo ali é digno de muita contemplação. É mágico!

O arquipélago de origem vulcânica é formado por 21 ilhas e ilhotas, que formam 26 quilômetros quadrados ao todo. Somente na ilha principal são 17 quilômetros quadrados, única porção de terra habitada. É ali que se encontra a Vila dos Remédios, o centrinho, onde há pousadas, restaurantes e comércios que oferecem o melhor para os visitantes. Caso queira visitar as outras ilhas por perto, é necessária autorização especial.

Falando em maravilhas naturais, o Noronha é um dos poucos destinos brasileiros em que há rígida política ambiental de preservação e conscientização, o que ajuda a manter o traço quase que intocado de suas belezas. As medidas são reforçadas pela taxa de preservação obrigatória aos turistas – o custo aumenta de acordo com o período da estada – e pela taxa para adentrar o Parque Nacional Marinho, que ocupa cerca de 70% da ilha principal.

Leia mais
Assista a todos os episódios de CNN Viagem&Gastronomia
Os melhores locais para comer e beber em Fernando de Noronha
Fernando de Noronha: hospedagens para curtir o melhor do arquipélago

Praias paradisíacas nos arredores de Recife
Duas das melhores praias do mundo estão no Brasil
Fernando de Noronha ganha novo hotel de luxo

História e curiosidades

Noronha possui mais de 500 anos de história, assim como a trajetória do continente. Em razão da sua posição geográfica, o arquipélago foi uma das primeiras terras localizadas no Novo Mundo. Sua descoberta é creditada a Américo Vespúcio, em 1503, que participou da segunda expedição exploratória às costas brasileiras. A expedição foi financiada pelo fidalgo português Fernão de Loronha – te lembra algum outro nome? – que era cristão novo e comerciante de pau-brasil.

Em 1504, as terras foram doadas ao fidalgo, firmando-se como a primeira Capitania Hereditária do Brasil, mas jamais ocupada pelo donatário. O arquipélago ficou abandonado por mais de dois séculos e vulnerável a invasões, o que motivou a definitiva ocupação por Portugal a partir de 1737, sendo construído um sistema defensivo com fortificações. O Forte Nossa Senhora dos Remédios é um bom exemplo disso, principal construção do tipo por ali, que tem suas ruínas preservadas e abertas para visitação – e de quebra uma linda vista para o mar.

Entre 1737 e 1942, a ilha principal abrigou uma prisão, onde eram levados adversários da coroa portuguesa. Mais tarde, serviu de domicílio para os contestadores do Estado Novo, de Getúlio Vargas. Desde 1988, Fernando de Noronha deixou a condição de território federal para voltar à sua antiga categoria de distrito do estado de Pernambuco.

Ao longo do tempo, com o turismo sendo estabelecido na região, Noronha foi acumulando prêmios e atributos. Desde 2001 é reconhecido e tombado pela UNESCO como Patrimônio Mundial Natural da humanidade.

Suas praias também são reconhecidas mundo afora: a Baía do Sancho, a oeste do Morro Dois Irmãos, aparece entre as cinco melhores praias do mundo pela sétima vez no Traveller’s Choice Awards, da plataforma TripAdvisor. O destino é muito admirado por estar cercado de vegetação, ter água turquesa transparente e areias bem clarinhas, combo perfeito para a prática de esportes, como o mergulho.

Vista da Praia do Sancho em Fernando de Noronha
Águas tranquilas e azul-turquesa na Praia do Sancho, uma das mais famosas do mundo (Foto: Wikimedia Commons)

Outra curiosidade pertinente: por lá é proibido hotéis à beira-mar, devido a preocupação ambiental com a fauna e flora protegidas pelo Parque Nacional Marinho. Mas calma: a maioria das acomodações ficam pertinho das principais praias e possuem vistas de fazer inveja a qualquer um.

Leia mais
Veja mais passeios e dicas gastronômicas em Fernando de Noronha
A sempre bem-vinda Fernando de Noronha: de volta ao paraíso
Chef Danielle Dahoui dá dicas de onde comer e o que fazer em Recife
Onde os chefs comem? Com César Santos, em Recife

Atrativos

Daniela Filomeno em Fernando de Noronha (Foto: CNN V&G)

Aproveitar o paraíso é fácil. Seja nas praias, nos passeios, nos restaurantes, sempre há algo para fazer e explorar. Se quiser relaxar, Noronha também é o local certo: nada melhor do que uma bebida refrescante ao lado da piscina e uma vista para as paisagens encantadoras.

  • Praias imperdíveis

Os maiores atrativos por ali são as praias. Mais de uma dezena delas estão na ilha principal e suas cores verdes e azuis encantam qualquer um. Entre as opções, não deixe de visitar a Praia do Leão, que tem águas cristalinas, uma areia num tom quase avermelhado e bastante paz. Ali também é registrado o maior índice de desova de tartarugas marinhas do arquipélago.

A Praia da Cacimba do Padre é igualmente incrível, uma das melhores praias para prática de surf. Ela fica de frente para um dos cartões postais mais conhecidos do pedaço: o Morro Dois Irmãos, linda formação rochosa em meio às águas.

Águas azuis da Baia dos Porcos em Fernando de Noronha
Águas azuis cristalinas na Baía dos Porcos, que chega a formar piscinas naturais (Foto: Wikimedia Commons)

É pela Cacimba do Padre que chega-se à Baía dos Porcos, uma das praias mais famosas do Brasil. De tonalidade esverdeada, seu acesso se dá por uma escadaria e lances de pedras. Na maré baixa há formação até de piscinas naturais, em que pequenos peixes podem ser vistos de pertinho.

  • Fortes

Fernando de Noronha: Forte de Nossa Senhora dos Remedios
Ruínas do Forte Nossa Senhora dos Remédios e vista para o Morro do Pico (Foto: Carlos Scorzato/ipatrimonio.org)

Os fortes são atrações turísticas que remetem ao passado português na ilha. Suas ruínas são super importantes para adentrar um pouco mais na história nacional. Quando em Fernando de Noronha, a dica é visitar o Forte Nossa Senhora dos Remédios, que fica perto do centrinho e leva o nome da padroeira local.

Ali estão as ruínas da fortaleza, como das paredes e dos canhões que cercavam o local. É um ótimo ponto para apreciar a vista do mar e das praias próximas, já que está numa altitude elevada.

  • Trilhas e caminhadas

    Daniela na Trilha do Atalaia (Foto: CNN Viagem&Gastronomia)

Trilhas e caminhadas são atividades bem exploradas na ilha. A mais conhecida é a Trilha do Atalaia, no Parque Nacional. São dois tipos de trilha (curta e longa) que devem ser agendadas previamente. É importante verificar o grau de dificuldade de cada trilha, a que fiz no Atalaia, por exemplo, foram 4 horas de caminhadas, sendo dois em pedras vulcânicas. Nada fácil, mas o visual e a piscina natural no final compensam – muito! Leve sua máscara, snorkel, protetor solar, água e encare a trilha, garanto que não irá se arrepender.

Como disse ali em cima, chega-se à Baía dos Porcos através de uma mini trilha partindo da Praia da Cacimba do Padre, que contém visuais igualmente lindos. O legal é visitar as duas praias e de quebra experimentar este mini percurso.

E para aqueles que gostam de uma atividade menos intensa mas igualmente imperdível, uma boa caminhada é a pedida. Com a maré baixa, caminhar pelas praias da Vila dos Remédios até a Cacimba do Padre é uma delícia e digno de cenário de filme.

  • Mergulho

Fernando de Noronha é, com certeza, um dos melhores lugares para a prática de mergulho do país e quiçá do mundo. E a Baía do Sueste é perfeita para um mergulho livre. A praia possui águas calmas e uma rica fauna marinha – já falei das águas quase transparentes, certo? O Sueste é um dos principais locais de alimentação de tartarugas marinhas, por isso chega até a ser comum nadar ao lado delas. Leve seu snorkel e aproveite!

A Praia do Atalaia é outro exemplo disso. Ali há um recife de corais bem perto da areia, que reúne diversas espécies de animais marinhos, como tartarugas, polvos e peixinhos coloridos, consolidando-se como um dos locais mais concorridos entre mergulhadores.

  • Pôr do sol

wikimedia commons
Pôr do sol em Noronha: ilha oferece pontos estratégicos para melhor apreciação do momento especial (Foto: Wikimedia Commons)

Pode parecer corriqueiro, mas o pôr do sol é uma atividade para ser apreciada com calma em Noronha. As belezas naturais do arquipélago ajudam a transformar o momento simples em algo extraordinário. São dois os lugares que indico para terminar o dia: o Forte do Boldró e o Porto.

O Forte de Boldró, formado por ruínas do que já foi uma fortificação, possui um mirante, ótimo para apreciar o sol se esconder lentamente atrás do mar. A Baía de Santo Antônio, o Porto, é outro local ideal com clima calmo no fim da tarde. Ali há areias brancas, águas claras e barcos que saem para os passeios, servindo como um ancoradouro.

Leia mais
Baía das Caraúbas Glamping – um paraíso sustentável escondido no norte Cearense
Bahamas, o paraíso turquesa
Um paraíso brasileiro: Saco do Mamanguá, no Rio de Janeiro

Melhor época do ano

Noronha é um destino quente o ano todo, em que a temperatura média chega na casa dos 26°C. Por ali, as estações são comumente divididas em duas: uma seca e outra chuvosa.

A estação seca ocorre entre agosto e fevereiro, pegando uma parte do inverno, a primavera e a maior parte do verão. Essa é a época mais recomendada para aterrissar no arquipélago e aproveitar os dias ensolarados.

Já a estação chuvosa ocorre de março a julho, entre o outono e o inverno. Não que chova o tempo todo, mas os dias não são como na estação seca e há risco das ruas, a maioria de terra, ficarem cheias de lama – a exceção ‘r a estrada federal BR-363, que possui 7 km e liga o porto à Baía do Sueste

Além disso, para desfrutar das belezas locais, o ideal é reservar hospedagens de três a sete dias. Assim, o visitante consegue descobrir praias diferentes, diversas opções de passeios, atividades e uma gastronomia pouco difundida.

Uma dica é alugar um buggy durante a estadia: facilita muito a locomoção entre as praias, já que algumas são distantes. Dependendo de onde você se hospedar, como em localizações um pouco afastadas do centro, vale a pena desembolsar uma quantia para o aluguel do veículo. Vale ressaltar que as pousadas não são pé na areia, portanto a locomoção na ilha é bem importante.

Ah, e não importa a época do ano: fique sempre munido de repelente, pois os mosquitos por ali não dão trégua!

Como chegar em Noronha

Há voos diretos da Azul e da Gol partindo de Recife (PE) e Natal (RN) para o Aeroporto de Fernando de Noronha (FEN), na ilha principal, em que possuem duração média de uma hora até o arquipélago.

Se sair de outras cidades do país, como São Paulo, Rio de Janeiro, entre outras, você terá de fazer uma parada em alguma dessas capitais do nordeste.

Perdeu o programa? Confira na íntegra em nosso canal do YouTube:

 

 

*O programa CNN Viagem & Gastronomia vai ao ar todo sábado, às 21h, na CNN Brasil. A CNN está no canal 577 nas operadoras Claro/Net, Sky e Vivo. Para outras operadoras, veja aqui como assistir. Horários alternativos: domingo, às 03h50, 13h10 e 21h10; Segunda-feira, às 01h55


Mais Recentes da CNN