Viagens de carro: visite cidades próximas a Porto Alegre

Que tal desbravar a região sul do país? Abasteça o carro e prepare-se para conhecer cenários históricos, paradisíacos e repletos de atrações

Photo taken in Cambará Do Sul, Brazil
Photo taken in Cambará Do Sul, Brazil

Ouvir notícia
Cambará do Sul (Foto: Getty Images)

Com vestígios da colonização européia, as cidades gaúchas são praticamente uma viagem no tempo. Entre construções no estilo bávaro e passeios de trem, as cidadezinhas próximas a Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul, reúnem uma série de atrações turísticas, convidativas para todas as idades. Ideal para ser desbravada de carro, a região abriga enoturismo, gastronomia de qualidade, passeios históricos, praias desertas, paisagens estonteantes e muito mais. Reunimos seis cidades pertinho de Porto Alegre que merecem a visita e reserva inúmeras surpresas aos turistas. Confira os detalhes abaixo e caia na estrada!

Bento Gonçalves

Quem é fã de enoturismo com certeza já ouviu falar em Bento Gonçalves, no sul do país. A cidade, a 120 quilômetros de Porto Alegre, é considerada a capital do vinho brasileiro e é um dos destinos que mais atraem turistas no estado do Rio Grande do Sul. A fama pelos vinhos e vinhedos é antiga, já que os primeiros imigrantes italianos chegados ao Brasil iniciaram o cultivo da uva na região, mas para consumo próprio.

Esse legado deixado pelos italianos tornou-se um dos principais pontos turísticos no interior de Bento Gonçalves, nomeado de Vale dos Vinhedos. A região é cercada por vales e montanhas cobertas de parreirais e foi a primeira do país a receber o status de Indicação de Procedência (IP) e Denominação de Origem (DO) por conta da qualidade dos rótulos produzidos em pequenas propriedades rurais ou em vinícolas de grande destaque nacional e internacional; além disso, é oficialmente patrimônio histórico e cultural do Rio Grande do sul desde 2012. Fora o cultivo das videiras, o Vale dos Vinhedos também tem outros elementos que marcam a imigração italiana, como a capelas e capitéis, devoção aos santos e o dialeto vêneto, linguagem típica da região de Veneza, na Itália.

Vale dos Vinhedos: região produtora de vinhos em Bento Gonçalves, no Rio Grande do Sul (Foto: Pixabay)

Mas engana-se quem pensa que Bento Gonçalves só reúne boas atrações para os amantes do vinho. Também no interior da cidade, há os Caminhos de Pedra, que resgatam a herança cultural dos imigrantes italianos em um museu vivo. Por lá, é possível descobrir curiosidades da região, apreciar a gastronomia e arquitetura do local, além de vivenciar uma experiência com legítimos representantes da cultura camponesa, que tecem diversas coisas com as próprias mãos.

Passeio de Maria Fumaça: uma volta ao tempo em Bento Gonçalves (Foto: reprodução site)

Ainda no interior da cidade, vale desbravar o Vale do Rio das Antas, onde é possível encontrar diversos produtos coloniais, artesanatos e lanchonetes com vistas panorâmicas de tirar o fôlego. Fora isso, o Vale também reserva uma beleza indescritível, a Ponte Ernesto Dorneles – também conhecida como Ponte do Rio das Antas. No ranking entre uma das maiores pontes do mundo, ela foi construída em arcos paralelos suspensos de onde você consegue observar as águas do Rio das Antas formando uma enorme “ferradura” ao redor de uma montanha.

Fora as atrações turísticas feitas no interior, Bento Gonçalves também tem atrações turísticas dentro do próprio município. Uma das mais conhecidas é a Maria Fumaça*, que realiza um passeio de trem a vapor na Serra Gaúcha, em um trecho percorrido entre Bento Gonçalves e Garibaldi, com aproximadamente 23 quilômetros e duas horas de duração. Ao soar o sino, o embarque é feito na estação de Bento, com uma deliciosa degustação de vinhos e o desembarque, em Garibaldi, é repleto de música gaúcha e italiana – e, no trajeto, os turistas são presenteados com uma viagem repleta de alegria, que é sinônimo dos imigrantes italianos.

*Recomenda-se reservas com antecedência

Cambará do Sul

Se você é um viajante tipo aventureiro, que não abre mão de paisagens indescritíveis e está sempre à procura de lugares desafiadores, Cambará do Sul é o destino certo. Localizada a 202 quilômetros de Porto Alegre, a cidade é conhecida por abrigar os imensos e surpreendentes cânions – espécies rochosas que atingem mais de 900 metros de altura e contam com uma grande extensão. Inclusive, a região é a dona do maior conjunto de cânions da América do Sul, afinal, as formações são imensas e também milenares.

Os dois cânions mais conhecidos são: Itaimbezinho e Fortaleza. Ambos têm fissuras em seu interior e podem ser observados de diferentes lugares, seja do alto, por baixo e pelo rio. O Itaimbezinho é o menor, mas não deixa de surpreender devido à densa vegetação que cobre as rochas gigantes. Ao todo, o cartão-postal da região, tem 720 metros de altura e seis quilômetros de extensão e apenas três trilhas que levam ao lugar – são elas: Vértice, com um quilômetro e meio, Cotovelo, com seis quilômetros e Rio do Boi, com oito. Todas estão localizadas dentro do Parque Nacional de Aparados da Serra, que foi criado em 1958, para preservar as formações.

Os cânions impressionantes da região de Cambará do Sul (Foto: Pixabay)

Já o Fortaleza impressiona devido ao tamanho, à profundidade e à extensão, e faz parte do Parque Nacional da Serra Geral. Inaugurado em 1992, a área de conservação tem mais de 12 mil hectares e o cânion Fortaleza é o principal atrativo, afinal, conta com sete quilômetros e meio de extensão, 900 metros de altura e um quilômetro e meio de largura. A trilha Pedra do Segredo é a principal forma para observar o Fortaleza de pertinho – no meio do caminho você ainda é presenteado com a cachoeira do Tigre Preto, que tem mais de 200 metros de queda. Vale ainda lembrar que ambos oferecem mirantes para àqueles turistas que desejam observar todos os detalhes do alto e não querem se arriscar nas diversas trilhas.

Além dos passeios pelos cânions e das paisagens incríveis, a região de Cambará do Sul também abriga uma infinidade de cachoeiras e rios, e oferece passeios de cavalgadas – que normalmente acontecem no mês de julho.

Canela

Bem próxima à cidade de Gramado (que falaremos mais adiante), Canela é um dos principais pontos turísticos no sul do país. A 110 quilômetros de Porto Alegre, a cidadezinha guarda vestígios dos colonos alemães do século XIX, que passaram pelo Brasil e deixaram lembranças em diversos aspectos – desde construções no estilo bávaro até características marcantes na produção de chocolates. Por ser uma região tranquila, bem movimentada apenas em algumas épocas do ano, Canela torna-se um destino ideal para famílias, já que há opções de lazer para todas as idades.

Catedral de Pedra em Canela (Foto: Eduardo Vieiro)

Inicie o tour pela cidade na Catedral de Pedra, localizada na Praça Matriz de Canela. A igreja, que na verdade não é uma catedral, é referência em arquitetura neogótica, com vitrais e esculturas totalmente característicos do período medieval. Imponente, atrai milhares de turistas por conta da manutenção e da preservação feita até os dias de hoje, além de ser um grande símbolo para Canela. Fora a visita às dependências térreas da igreja, é possível subir na torre e observar todo o horizonte para a Serra Gaúcha – é necessário pagar um valor à parte.

Além da igreja gótica que faz parte do cenário da cidade, Canela ainda reúne outros grandes pontos turísticos. O Parque Estadual do Caracol é um belo exemplo e é parada obrigatória a todos que visitam a região. A área de conservação, com 25 hectares, tem a queda do Caracol, do Rio Caracol, como a principal atração. A “cachoeira” tem uma queda livre de 131 metros e é cercada por matas fechadas e rochas basálticas. Além da cascata, o Parque do Caracol ainda conta com um teleférico que presenteia o turista com uma vista panorâmica das cataratas – as cabines estão localizadas em uma plataforma de 27 metros, onde a chegada é feita por um elevador.

Parque do Caracol, em Canela, no Rio Grande do Sul (Foto: Eduardo Vieiro)

Canela ainda tem outras formas de entretenimento, como, por exemplo, o Museu Egípcio. O museu abriga o maior acervo egípcio da América Latina e tem diferentes elementos, como pirâmides, sarcófagos, hieróglifos, múmias, coleção de faraó, entre outros. Já a Estação Campos de Canella resgata a história e a relação direta com trens e trilhos da região. O espaço, totalmente revitalizado, atrai turistas para conhecerem um pouco mais dos detalhes desses antigos meios de locomoção – e, além disso, há cafés, restaurantes e cervejarias que atendem o público. A cidade ainda tem outras diversas atrações – entre cachoeiras, parques interativos para crianças, parques de diversões, passeios aéreos e muito mais.

Gramado

Lago Negro: atração tranquila em Gramado (Foto: Carol Fiacadori)

Uma das cidades mais conhecidas do Rio Grande do Sul, Gramado é destino ideal para àqueles que desejam curtir uma brisa geladinha, dessas típicas de serra. A 135 quilômetros de Porto Alegre, a cidade tem inspirações das colonas alemãs do século XIX e é repleta de construções com toque bávaro, além dos chalés alpinos que brotam em todas as ruas. Com clima interiorano, Gramado é sinônimo de tranquilidade, mas não perde o leve charme do agito – por lá, você caminha entre construções com estilo europeu e observa o vai e vem dos restaurantes especializados em fondues, as lojas de chocolate e churrascarias.

Gramado também é palco de um lindo espetáculo de Natal, um dos mais famosos do Brasil, já que tem paradas com Papai Noel, árvore gigante e toda a cidade fica repleta de luzes decorativas. Além disso, é sede do Snowland, um parque inspirado na Europa, com 16 mil metros quadrados, que proporciona prática de esportes, brincadeiras e experiências com neve artificial – ideal para crianças interagirem de forma lúdica. Mas, para quem deseja águas mais calmas, literalmente, o passeio ideal é a ida ao Lago Negro. Como o próprio nome diz, o lago tem água bem escura e é cercado por flores (na primavera lindas hortênsias brotam e completam o cenário) e pista de caminhada. Fora isso, para ter uma experiência ainda mais imersiva, a cidade disponibiliza pedalinhos (pagos à parte) em formato de cisnes, então, é uma ótima opção para contemplar a paisagem ao redor.

São Francisco de Paula

Ao contrário de Canela e Gramado, São Francisco de Paula, localizada a 130 quilômetros de Porto Alegre, é uma cidadezinha gaúcha que tem turismo pacato, mas surpreendente. Entre a Serra Gaúcha e os cânions de Cambará do Sul, São Chico – como é conhecida entre seus moradores – é destino é ideal para quem deseja se aventurar em meio à natureza, já que é dona de belas reservas naturais, cachoeiras, trilhas e passeios a cavalo.

São Francisco de Paula: turismo para quem gosta de cachoeiras (Foto: Unsplash)

O passeio pela cidade pode começar no Lago São Bernardo – que é um verdadeiro presente aos moradores. Com cerca de três quilômetros de perímetro, é o verdadeiro cartão-postal de São Chico, repleto de plátanos e araucárias que transformam a paisagem e tornam o lugar ainda mais bonito. A área é ideal para quem gosta de caminhadas, esportes aquáticos, andar de bicicleta e fazer exercícios ao ar livre, ou, simplesmente aproveitar e curtir o visual.

Já pelo interior é possível descobrir diversas cachoeiras. O Parque das Oito Cachoeiras, como o próprio nome sugere, tem oito quedas d’água e é uma das grandes atrações da região – por lá, você consegue realizar quatro roteiros de trilhas (sinalizadas) que te levam às quedas, a mirantes ou poços. Caso você queira se arriscar e se aventurar um pouco mais, há um parque de aventura com tirolesa, escalada, rapel e arvorismo – mas para usufruir dessa estrutura, é cobrado um valor à parte. O Parque das Cascatas também é um dos pontos que merecem a visita. Ainda que esteja um pouco distante de São Francisco de Paula, conta com 54 hectares de área, tem lindas quedas d’água, além de corredeiras e piscinas naturais.

Torres

Localizada no extremo norte do litoral do Atlântico, a cidade de Torres é um verdadeiro presente ao Rio Grande do Sul. A 197 quilômetros da capital Porto Alegre, a região é destino certo aos gaúchos que desejam espairecer em meio aos dias caóticos da “cidade grande” – e também é convidativa aos turistas que querem explorar diferentes praias brasileiras. O município tem praias com paredões rochosos à beira-mar (semelhantes às famosas praias do Algarve, no litoral de Portugal), sendo as únicas do estado com esse privilégio.

Um bom exemplo é a Praia da Guarita – parte dos 23 quilômetros de costa litorânea da cidade – que integra a área de proteção ambiental do Parque da Guarita. Ideal para àqueles que gostam de mar calmo, sem grandes ondulações (claro, tudo isso depende da época do ano) e apreciam uma água clarinha. A extensão de areia é ideal para quem deseja relaxar ao som das águas do mar, além de ser propícia para brincadeiras de crianças. Para chegar até lá, os carros devem pagar um valor à parte, que ajuda na preservação do parque homônimo, mas é apenas um preço símbolo de, no máximo, R$20 (varia de acordo com o tempo de permanência). Além disso, a região da Praia da Guarita tem inúmeras trilhas, fáceis e sinalizadas, que levam os banhistas a grandes penhascos e enseadas e, assim, conseguem observar a imensidão azul com as formações rochosas. Aproveite e se aventure para subir à Torre Sul – são 100 degraus que te levam ao topo da praia e te oferecem uma linda e indescritível paisagem.

Praia da Guarita: cartão-postal de Torres, no litoral do Rio Grande do Sul (Foto: Wikimedia)

Além da Praia da Guarita, Torres abriga a Praia das Torres, outro grande ponto turístico da região. Com cenário único, é a melhor representante quando o assunto é falésia à beira-mar. Inclusive, são essas formações rochosas que dão nome à cidade, conhecidas por torres.

Mais Recentes da CNN