Comunas italianas querem pagar metade do seu aluguel para que você trabalhe em home office

Iniciativas na Toscana e no Lazio procuram novos moradores para repovoar vilarejos e movimentar economia local

Ouvir notícia
Casinhas toscanas na comuna de Santa Fiora, na Itália, em frente ao rio Fiora (Foto: Getty Images)

O trabalho remoto estabeleceu-se como uma realidade para muita gente desde que a pandemia da Covid-19 começou em março do ano passado. Durante esse período, o home office virou padrão e suas variações – como o resort office, room office ou anywhere office, literalmente escritório em qualquer lugar – entraram no vocabulário cotidiano.

E, por falar em qualquer lugar, que tal morar e trabalhar sob o sol da Toscana ou ainda numa cidade histórica perto de Roma dividindo metade do aluguel com os governos locais? É o que as comunas de Santa Fiora e Rieti têm oferecido para atrair novos moradores que sempre quiseram ter um pezinho no país.

As duas cidades anunciaram que pagarão até 50% do aluguel de qualquer pessoa que decidir se mudar e trabalhar de forma remota por um longo período em suas regiões. O bom é que não há empregos definidos como requisito: todos são bem-vindos desde que consigam trabalhar remotamente por um longo tempo e tenham meios de se sustentar nas cidades.

Os aluguéis médios de uma casa nas localidades variam entre €250 a €500 por mês, algo entre R$1.600 e R$3.200, de acordo com a CNN Travel. Santa Fiora oferece planos de longas estadias que duram entre dois e seis meses, diferente de Rieti, em que a permanência mínima deve ser de três meses – podendo ser estendida para mais de seis meses se necessário.

Leia mais
Malta pagará até R$ 1.350 para turistas vacinados visitarem as ilhas do país
Resort nas Maldivas lança pacote de trabalho remoto de luxo de R$ 123 mil

Delivery já: 15 restaurantes italianos para pedir em São Paulo

As iniciativas fazem parte de um movimento que tem sido comum para atrair novos moradores em pequenas cidades italianas devido o êxodo para grandes centros urbanos, tendo em vista também as consequências econômicas causadas pela pandemia da Covid-19. Cidadezinhas e vilarejos quase despovoados ao redor do país têm oferecido subsídios para recém-chegados “reviverem” o local, assim como já são famosas as iniciativas de municípios que vendem casas inteiras por apenas 1 euro.

Santa Fiora

Praça San Michele, em Santa Fiora, com construções típicas do interior da Itália (Foto: Wikimedia Commons)

A Comuna de Santa Fiora fica bem no coração da Toscana, região mundialmente conhecida pelas suas belezas naturais diversificadas, casinhas de arquitetura mediterrânea e paisagens para lá de fotogênicas. O vilarejo possui torres, fontes, praças com vista para montanhas, museus e obras de artistas renascentistas. Menos de 2.500 pessoas moram ali.

Um site foi criado para ajudar os interessados a encontrarem a instalação perfeita: atualmente estão disponíveis casas rurais, apartamentos, loft e cabana no vilarejo para aluguel, que variam de tamanho e preço. Uma relação de serviços e contatos também estão à disposição, como imobiliárias, encanadores, babás, eletricistas, farmácias, restaurantes e entregas a domicílio.

A iniciativa não é voltada para turistas ocasionais, mas sim para “para pessoas que realmente querem experimentar a vida de nossa aldeia”, disse Federico Balocchi, prefeito da comuna, à CNN Travel. Para ajudar novos moradores, o cabeamento de internet de fibra de alta velocidade foi reforçado e “estações de trabalho” estão sendo criadas e identificadas.

“Queremos que Santa Fiora se torne seu escritório flexível. Cada vez que um jovem sai em busca de trabalho em outro lugar, um pedaço de nossa aldeia é levado embora”, lamenta.

E ainda há mais subsídios: Santa Fiora pagará até €1.500 (cerca de R$9.580) para cada recém-nascido caso casais decidam fixar residência e ter filhos por ali. Além disso, o governo pagará até €30.000 (aproximadamente R$190.000) para os recém-chegados abrirem uma B&B (Bed & Breakfest, algo como cama e café da manhã), modalidade mais barata de hospedagem que pode estimular o turismo local.

Leia mais
Nhoque da sorte: saiba onde pedir em São Paulo
Ilha no Caribe oferece visto especial de moradia para pessoas se isolarem na natureza
Seychelles reabre suas ilhas paradisíacas para turistas do mundo todo

Rieti

Foto aérea de Rieti, comuna na Itália
Vista aérea da comuna de Rieti, que fica na região de Lazio, próxima a Roma (Foto: Getty Images)

Mais próxima à Roma, Rieti é uma comuna com cerca de 50 mil habitantes, uma das maiores da região de Lazio, que oferece planos semelhantes à Santa Fiora. Mesmo sendo bem maior que a outra comuna, a população dali não tem crescido, de acordo com o vice-prefeito Daniele Sinibaldi à CNN Travel.

“Estamos meio que empacados”, revelou. “Os jovens continuam fugindo para Roma em busca de trabalho, então embarcamos em uma missão para atrair trabalhadores remotos que transformarão Rieti em seu escritório inteligente e revitalizar nossa cidade”, declarou o vice-prefeito, que acredita que o teletrabalho pode “acordar” o local.

Os aluguéis em zonas rurais mais afastadas do centro são ainda mais baratos e podem satisfazer trabalhadores em busca de sossego longe das grandes áreas urbanas. Por exemplo, é possível alugar uma pequena vila inteira no campo por cerca de €600.”Além disso, o voucher pode ser usado em todo o território de Rieti, incluindo as aldeias rurais de Sant’Elia, Cerchiara e a estação de esqui de Terminillo, mas nós adoríamos que as pessoas se vivessem no centro histórico. ”

Rieti chama atenção pela mistura da arquitetura medieval, renascentista, barroca e moderna. Praças, monumentos e alguns palácios aristocráticos são conectados por típicas vielas italianas.

Mais Recentes da CNN