por: Viagem e Gastronomia Viagem e Gastronomia

Casarão histórico na avenida Paulista, em SP, pode abrigar novo Museu da Gastronomia

Governo do Estado abriu edital para concessão do Casarão Franco de Mello, imóvel da década de 1905

Ouvir notícia
Palacete Joaquim Franco de Mello, localizado na avenida Paulista, 1919. Foto: Divulgação/Secretaria de Cultura de São Paulo

O Palacete Joaquim Franco de Mello, mais conhecido como Casarão Franco de Mello, na avenida Paulista, número 1919, pode virar o mais novo Museu da Gastronomia de São Paulo. Isso graças a um chamamento público aberto pela Secretaria de Cultura de São Paulo para realizar estudos para a concessão pela iniciativa privada. O projeto inclui modernização, restauro e manutenção do espaço, localizado em um terreno que alcança 2.000,00m².

O objetivo é revitalizar o palacete, visando sua ocupação de acordo com as diretrizes previstas no Edital. Os interessados podem se inscrever até 2 de agosto e acessar no site os regulamentos. A concessão é de 35 anos e prevê ainda serviços de construção, restauro, adequação e manutenção de equipamento de uso cultural. Há ainda a possibilidade de se edificar um novo anexo com até 3.130,00m², perfazendo um total de área construída de 4.000,00m².

“A cidade de São Paulo é um polo gastronômico nacional; e a gastronomia é um dos pilares da economia criativa. A ideia é atrair empreendedores interessados em recuperar e explorar esse espaço, que é um dos mais nobres da capital. Os estudos indicaram a concessão como melhor forma de recuperar um patrimônio relevante da capital.” destaca Frederico Mascarenhas, Chefe de Gabinete da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo.

Leia mais
Theatro Municipal de São Paulo ganha novo tour virtual interativo
Acervo pessoal de Vinicius de Moraes é disponibilizado online
Exposições virtuais para visitar sem sair de casa
Museus online: um tour pelas principais coleções do mundo sem sair de casa

Foto: Divulgação/Secretaria de Cultura de São Paulo

Mas essa não é a primeira vez que o casarão é visto como oportunidade de abrigar projetos com fins culturais. Em 2014, o Governo do Estado desenvolveu, por meio de um concurso, projeto para instalação museológica no local. Em 2019, houve um anúncio por parte do Governo de São Paulo declarando que a Confederação Nacional da Indústria (CNI) e o Sesi (Serviço Social da Indústria) manifestaram interesse em fazer do local lar de um museu dedicado à ciência, tecnologia, arte e inovação, mas, em 2020, as duas entidades retiraram a proposta. Agora, em julho de 2021, a Secretaria de Cultura e Economia Criativa comunica a retomada do projeto e dos estudos de concessão do imóvel.

O casarão Franco de Mello 

Construído em 1905, é obra do construtor português Antônio Fernandes Pinto que criou a fachada inspirada na arquitetura eclética, com influências francesas do período de Luís XV. A área de terreno é de 2.000,00m², sendo 870m² de área construída e em seu interior há 35 cômodos. O imóvel é tombado pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (CONPRESP). Joaquim Franco de Mello foi um coronel e rico agricultor que, entre outras atividades, fundou uma cidade no interior paulista, dando a ela o nome de sua esposa, Lavínia. No imóvel, Franco de Mello morou com ela e seus três filhos, Raphael Franco de Mello, Rubens Franco de Mello e Raul Franco de Mello.

Mais Recentes da CNN