Bastidores de ‘Parts Unknown’, de Anthony Bourdain, com o diretor Morgan Fallon

CNN Brasil vai exibir "Anthony Bourdain", um dos programas de gastronomia e viagem de maior prestígio já produzidos na televisão mundial

Bourdain caminhando em frente a muro e sendo filmado
Gravações do programa ‘Parts Unknown’, de Anthony Bourdain
Foto: Reprodução/CNN

A CNN Brasil vai exibir “Anthony Bourdain”, um dos programas de gastronomia e viagem de maior prestígio já produzidos na televisão mundial. A estreia será no dia 6 de setembro, às 18h30.

“Anthony Bourdain” é uma produção original da CNN americana. Na versão da CNN Brasil, a apresentação será do chef e apresentador André Mifano.

O que Morgan Fallon, diretor, diretor de fotografia e produtor de “Anthony Bourdain Parts Unknown”, mais sente falta de Tony, que morreu em junho de 2018, é a pressão que o apresentador impunha no trabalho.

Em uma conversa recente com a CNN Travel, Fallon descreveu com admiração as expectativas excessivamente altas de Tony. Ele sorriu ao explicar o processo de edição do programa de Bourdain na CNN.

“Ele podia nos destruir totalmente com um corte bruto”, contou Fallon.

Em outras palavras, Bourdain não aliviava, e essa abordagem era apreciada por Fallon e outros membros da equipe.

O chef famoso e estrela da TV “nunca aceitaria nada medíocre”, disse Fallon, que gostava do fluxo de trabalho. “Eu me sentia bem quando Tony ficava feliz com o programa”, acrescentou.

Tony era o tipo de líder que desafiava as pessoas. Ele tinha grandes expectativas para a produção de seu programa e se preocupava com um certo nível de estética. “É por isso que tínhamos um compositor e não dependíamos apenas do banco de músicas”, Fallon comentou, destacando a ampla supervisão de Bourdain.

Dá para falar que Fallon, que dirigiu episódios de “Parts Unknown” na Etiópia, Montana, Omã, West Virginia e Quênia, para citar alguns, foi descoberto por Tony no set do episódio sobre o Egito do programa “Sem Reservas”, do Travel Channel.

Bourdain andando em porto
Profissional e cortês, Bourdain tinha uma ética de trabalho estelar e buscava a perfeição.
Foto: David Scott Holloway/CNN

Quando um dos produtores abandonou a viagem ao Egito, Fallon foi convidado a intervir e ele o fez da maneira mais física possível: cavalgando pelo deserto. Ah, sim, e havia um beduíno chamado Ahmed lá com ele também.

Tipo de profissional que se autoproclama um franco-atirador quando se trata de correr riscos no trabalho, Fallon diz que chamou a atenção de Tony. Após terminar a filmagem no Egito, Tony enviou um e-mail para chefes da Zero Point Zero Production e mencionou especificamente o nome de Morgan, algo que Fallon diz não ser típico.

Bourdain queria trabalhar com ele novamente, e eventualmente Fallon se viu lançando lugares e ideias para histórias. West Virginia, local onde Fallon passou alguns anos na infância, foi uma ideia que ele levou a Tony após a eleição presidencial de 2016.

Bourdain come com pessoas na Virgínia Ocidental
Bourdain foi para West Virginia com novos olhos, na esperança de entender o lugar e as pessoas que viviam lá.
Foto: ZPZ

“Eu fui até o Tony e disse que precisávamos fazer um episódio aqui, e ele concordou”.

Fallon diz que ele e Bourdain ficaram felizes com o resultado final do episódio, que o diretor chama de positivo e equilibrado. E os cidadãos do estado também ficaram satisfeitos. Um fã escreveu no site Explore Parts Unknown ”que Bourdain “capturou lindamente nossa humanidade”. “Ele mostrou o povo de West Virginia não como vítimas estúpidas e indefesas da pobreza, mas como seres humanos que estão trabalhando duro e sobrevivendo, apesar de décadas de aproveitamento de grandes empresas.”

Anthony Bourdain viaja para o belo estado da West Virginia para vivenciar sua cultura e seus costumes.

Muitas fotos dos bastidores de várias sessões de “Parts Unknown” mostram claramente seu comportamento delicado e atencioso. “Deve-se notar”, lembrou Fallon, “que não importa o quão exausto Tony estava, não importa o quanto havia passado um dia inteiro filmando, ele sempre dava tudo de si”.

Embora Tony pudesse ser uma celebridade que se gabasse disso, ele lidava com a atenção do público com atenção e instruía a equipe a fazer o mesmo. E ele foi bom com todos que conheceu ao longo do caminho, destacou Fallon.

Tony demonstrava ser humilde e exigia que sua equipe fizesse o mesmo (ou correria o risco de demissão) com as pessoas que os convidavam para suas casas e com os funcionários dos restaurantes que cozinhavam e serviam comida para ele e seus convidados.

Bourdain e sua produção em Budapeste
Anthony Bourdain posando com a equipe de Budapeste para uma foto de grupo.
Foto: Zero Point Zero Production

Ele tinha uma ética de trabalho incrível, disse Fallon, que se irrita um pouco com a ideia de chamá-lo de “chef celebridade”.

“Ele pode ter sido uma celebridade”, reconheceu Fallon, “mas acima de tudo Tony foi um dos melhores produtores de televisão de todos os tempos”.

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês).