Carnavalet, um dos mais antigos museus de Paris, reabre após 5 anos fechado

Espaço de arte renovou instalações e ampliou espaços internos; reabertura ocorre a tempo da possível volta de turistas à França

Ouvir notícia
Fachada do Museu Carnavalet, que foi aberto em 1880 e preserva a história de Paris desde suas origens até os dias atuais (Foto: Piero Sierra/Flickr)

Após passar cinco anos fechado, o Museu Carnavalet, fundado em 1880, um dos mais antigos e importantes de Paris, foi reaberto para o público no sábado (29/05). O local foi fechado em 2016 e passou por renovações que custaram até €55 milhões (mais de R$350 milhões), de acordo com o Lonely Planet, apresentando agora espaços maiores e mais modernos aos visitantes.

O acervo do museu cresceu de tal forma que não havia mais espaço para apresentá-lo de forma lógica ao público. Assim, a restauração ao longo dos anos consistiu em redesenhar o interior, criando um layout coerente, como afirma a página oficial do Chatillon Architectes, escritório responsável pelo projeto.

Segundo o site oficial do museu, elevadores e rampas foram implementados para torná-lo mais acessível e displays digitais foram introduzidos como parte da modernização. O porão, uma das partes mais antigas do acervo, foi totalmente reformado para revelar coleções do Mesolítico ao Renascimento. Duas salas de apresentação saúdam os visitantes e um café-restaurante com vista para os jardins foi montado.

A reabertura do local coincide com o anúncio de que a França poderá voltar a receber turistas internacionais vacinados a partir de 9 de junho, principalmente os norte-americanos que anseiam passar o verão do hemisfério norte na Europa.

Leia mais
Turistas vacinados dos Estados Unidos poderão aproveitar o verão na Europa
Champs-Élysées, em Paris, terá menos carros e mais árvores com revitalização

Passeie online por castelos e palácios históricos

O museu

O Carnavalet é conhecido por ser uma “joia escondida” na capital francesa em comparação com os outros grandes centros artísticos, como o Louvre ou o Museu d’Orsay. Foi o primeiro museu privado da cidade e está situado em dois grandes edifícios renascentistas em que antes funcionavam o Hôtel Carnavlet e o Hôtel Le Peletier de Saint-Fargeau, no coração de Marais, bairro elegante repleto de galerias e patrimônios arquitetônicos bem conservados.

Inaugurado em 1880, o museu é dedicado à preservação da história de Paris, levando os visitantes a viajar no tempo a partir de uma coleção de mais de 625 mil itens, entre artefatos, pinturas, esculturas, mobílias de Marcel Proust, desenhos de Renoir e até pertences de Maria Antonieta. Do período Mesolítico ao século XXI, as instalações no Museu Carnavalet são apresentadas em ordem cronológica.

Interior do Museu Carnavalet
Uma das salas do museu antes da renovação, que foi iniciada em 2016 (Foto: @djou/Flickr)

A visita às exibições permanentes é gratuita (há cobrança apenas para exibições temporárias e visitas guiadas) e o uso de máscaras é, por enquanto, obrigatório nas dependências do museu para visitantes maiores de 11 anos em razão da pandemia.

Leia mais
Paris como você nunca viu
Museus online: um tour pelas principais coleções do mundo sem sair de casa
Quanto custaria alugar o Palácio de Buckingham?

Museus abertos

Outros museus parisienses importantes estão abertos, mas seguem os protocolos das autoridades sanitárias em razão da Covid-19. Em outubro de 2020, o governo francês fechou museus e outros espaços culturais para conter a disseminação da doença. Após quedas nas taxas de transmissão do vírus, a reabertura foi permitida em 19 de maio deste ano.

É o caso do Museu do Louvre, maior museu de arte do mundo, que funciona com capacidade limitada, máscaras obrigatórias e recomendações de distanciamento social. Algumas atrações permanecem fechadas, como a ala de antiguidades egípcias e romanas, assim como restaurantes e cafés que ficam no interior do local.

Museu do Louvre
Área onde se encontra a Mona Lisa está aberta para visitação no Louvre, que segue com protocolos restritivos (Foto: Charles Platia /Reuters)

No Museu D’Orsay, localizado às margens do Rio Sena, as restrições continuam em andamento e os visitantes devem obrigatoriamente reservar ingressos online.

Outro núcleo artístico concorrido nos arredores de Paris, o Palácio de Versalhes está recebendo visitantes nos mesmos moldes. As restrições continuam e é obrigatório reservar um horário para acessar o palácio, assim como são proibidos grupos de mais de seis pessoas juntas.

A partir de 9 de junho, a França espera entrar na terceira fase de seu plano de relaxamento de medidas. Locais culturais e instalações esportivas poderão receber até 5.000 pessoas. O toque de recolher passará a ser a partir das 23h e cafés e restaurantes poderão reabrir espaços internos.

Mais Recentes da CNN