Fred Sabbag destaca os ônus e bônus do papel de influenciador digital na gastronomia

Qual a responsabilidade por trás de postar e indicar um local, um produto ou serviço? Aqueles segundos nas redes sociais têm grande importância para as marcas e restaurantes, e Fred Sabbag traz sua visão sobre o papel dos influenciadores digitais

Qual o verdadeiro papel do influenciador digital na gastronomia?
Qual o verdadeiro papel do influenciador digital na gastronomia? Eaters Collective on Unsplash

Fred Sabbagdo Viagem & Gastronomia

São Paulo

Ouvir notícia

O texto hoje difere um pouco daqueles até então já publicados nesta coluna, porque excepcionalmente não contém recomendações de lugares ou produtos (o que mais faço aqui, mas é sempre bom variar). Hoje trato, resumidamente, do papel do influenciador digital que, acreditem, tem tantos ônus quanto bônus.

Via de regra, o papel de influenciador digital nasce de um hobby, por exemplo, frequentar bares e restaurantes, viajar, etc, e por isso a premissa é a de que o influenciador seja autêntico e transparente em aliar sua paixão com a função de comunicação ao público.

Fred Sabbag analisa a importância e o papel do influenciador digital / Foto: Giuliana Nogueira

Se a intenção do influenciador é impactar a decisão de compra de seu público, é recomendável que a indicação seja feita com responsabilidade e sem qualquer intenção obscura que não a de proporcionar a melhor experiência possível para os respectivos seguidores.

Ocorre que, infelizmente, tanto pelo lado do influenciador quanto pelo lado do público, nem sempre tal premissa é constatada (pelo público ou fornecedores de produtos/serviços) ou seguida (pelo influenciador), pelos mais diversos motivos.

É daí que surge a necessidade de se pontuar, logicamente sob a minha ótica e minhas convicções pontuais, os ônus e bônus e as expectativas e realidades desse papel que, de tempos para cá, vem ganhando mais relevância na sociedade.

Feedbacks

É prudente que, dada sua relevância em determinado nicho, o influenciador passe seu feedback a respeito do produto ou serviço ao diretamente ao respectivo fornecedor.

Esse é um exemplo do uso positivo da posição de influenciador digital, uma vez que influencia somente  quem detém determinada confiança de seu público. E, em havendo a oportunidade de se honestamente passar ao fornecedor prós e contras de determinado produto ou serviço, a tendência é de uma melhora – ou tentativa de – que beneficia todo o público.

Logicamente, é necessário que a opinião também seja dada ao público, mas isso não significa que a relevância do influenciador seja um meio de denegrir lugares e/ou fornecedores, esquecendo-se de que por de trás disso há pessoas e famílias dependendo da continuidade do negócio. De qualquer forma, também é lógico que essa minha preocupação não autoriza, de forma alguma, que o negócio preste um mau serviço ou atenda mal os respectivos clientes. O que deve logicamente  ser repudiado, porém, com respeito.

Um ponto importante é distinguir as funções de influenciador com as de crítico, do qual não se deve esperar imparcialidade, o que esvaziaria o papel do crítico, porém sim, honestidade e transparência para passar uma opinião técnica e precisa com base nas convicções e gostos pessoais deste.

Os famosos “recebidos”

Não há dúvida de que marcas e produtores, independentemente de seu tamanho, pretendem obter uma maior divulgação com os influenciadores digitais. Criou-se, com isso, o conhecido hábito de envio de produtos – popularmente chamados de “recebidos”.

Logicamente, para o influenciador, há um benefício no recebimento de tais produtos. Contudo, isso não significa que com isso haja uma obrigação de postagem ou realização de alguma “ação” específica.

Aqui entendo que se aplica o famoso “combinado não sai caro”. Tudo depende de um acerto prévio – não necessariamente financeiro, vale ressaltar – entre marca/produtor e influenciador. Não havendo isso, a permuta entre recebimento de produto e divulgação não deve ser algo presumido e sim combinado.

Bares e restaurantes

A mesma lógica do item anterior, na minha opinião, vale para bares e restaurantes. Apesar de ser bem legal, confesso, receber diversos convites para provar determinados restaurantes, o aceite de tal convite gera uma responsabilidade em provar ao máximo a comida e passar ao público o máximo de informações possíveis sobre determinada experiência.

A expectativa passada pelo público é a de que, somente pelo fato de o influenciador ter sido convidado para um bar ou restaurante, é a de que ele foi convidado para “falar bem”. Para mim, vale mais a divulgação do lugar em si e uma motivação ao público para ir e conferir com base em seus gostos pessoais do que a opinião de uma pessoa isolada.

Ou seja, o maior objetivo, para mim, é aproximar o público do bar ou restaurante. Muito mais importante do que minha opinião – que não necessariamente tenho os mesmos gostos do quem me acompanha.

Seguindo essa lógica, quando não tenho uma boa experiência em bar ou restaurante, simplesmente opto por não divulgar. O mesmo vale para um produto ou serviço.

Imposição de opiniões (não!)

Por fim, mas não menos importante. O simples fato de um influenciador ter mais ou menos seguidores ou engajamento, não lhe autoriza a impor sua opinião sobre o gosto de cada um de seus seguidores.

Vale dizer, se não gosto de um bar, restaurante, produto ou serviço específico, não estou autorizado a repudiar o gosto de quem goste.

Há, nesse ponto, também uma questão de situação financeira (nem todos, infelizmente, possuem condições de frequentar todos os “melhores” bares e restaurantes, por exemplo) que leva o comensal ou usuário de serviço a optar por uma alternativa mais em conta e que, para aquela realidade, foi a melhor possível para aquele momento.

Há, ainda, quem não leva em considerações fatores como custo-benefício ou então leva em consideração lugares em que o ambiente é mais importante do que a comida. Cada um possui suas experiências ideais, gostos e convicções pessoais.

Fred Sabbag
O advogado e entusiasta gastronômico Fred Sabbag, que conta com milhares de seguidores no Instagram / Foto: acervo pessoal

Sobre Fred
Fred Sabbag é advogado por profissão, mas, no tempo livre, nada de processos ou trâmites judiciais: uma de suas maiores paixões é frequentar bares e restaurantes. O hábito rendeu-lhe inúmeros seguidores no Instagram (@fredsabbag) e o tornou numa celebridade da gastronomia em São Paulo.


Mais Recentes da CNN