por: Viagem e Gastronomia Viagem e Gastronomia

Beluga, renomada vodca russa chega ao Brasil

Ouvir notícia

Uma das marcas mais prestigiadas de vodca do mundo chega ao Brasil. Os aficionados por destilados agora podem encontrar por aqui a célebre vodca russa Beluga, considerada por muitos apreciadores como a melhor do mundo.

Presente em 80 países, entre Europa, Ásia, Oceania, África e América do Norte, a Beluga integra o seletíssimo rol das chamadas vodcas superpremium e ultrapremium. E o Brasil foi o país escolhido como porta de entrada da Beluga na América do Sul. O produto foi lançado em 2003 como principal produto do grupo Synergy, terceiro maior produtor de vodca do mundo e líder no mercado russo de destilados.

Beluga2

O processo para fazer com que uma vodca seja apreciada nesse nível começa pelo local escolhido para produzi-la — a centenária destilaria Mariinsk, no coração da Sibéria. Utiliza-se na produção malte de trigo especialmente selecionado e a mais pura e cristalina água de fontes subterrâneas da região, um dos ecossistemas mais limpos do mundo. A Beluga Noble, rótulo mais vendido da marca, tem um sabor requintado, com notas discretas de infusão de aveia, mel, baunilha e extratos da planta cardo-santo. Além disso, a bebida passa por uma maturação de 30 dias, que lhe confere uma suavidade única. A Beluga Noble tem preço sugerido de venda ao consumidor entre 230 e 250 reais.

Beluga1

A destilaria produz também a ultrapremium Beluga Gold Line, top de linha da marca. É vendida em garrafas numeradas e lacradas com cera. A embalagem acompanha um pequeno martelo e uma escova, para quebrar e limpar o lacre. Produzida especialmente para harmonizar com caviar, a Beluga Gold Line é filtrada cinco vezes e descansa por um período de 90 dias. Para dar um caráter exclusivo para cada garrafa, os rótulos de Beluga têm um design refinado, com um elemento montado a mão: a imagem em relevo do peixe esturjão beluga, símbolo da marca e cujas cobiçadas ovas formam o caviar.

Fotos: Divulgação 

Tópicos

Mais Recentes da CNN