por: Viagem e Gastronomia Viagem e Gastronomia

Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Chef Thiago Castanho apresenta releitura da Amazônia no Remanso do Bosque, em Belém (PA)

    Ouvir notícia

    Renomado chef, Thiago Castanho interpreta clássicos da cozinha paraense com um jeito só seu. A base da cozinha está nos produtores que ele cultiva: vai desde as mulheres que lhe fornecem cacau, na ilha do Combu, ao frescor de seus ingredientes, que vêm também do mercado popular Ver-o-peso, na capital Belém. Sua culinária é baseada em ingredientes típicos, como o próprio cacau, o jambu (uma erva com propriedades analgésicas, que adormece a boca), o tucupi (um caldo, subproduto da mandioca), os peixes e as frutas.

    Belém, Pará – Visitar a capital belenense e não conhecer um dos restaurantes de Thiago Castanho (ao lado do irmão Felipe) parece uma afronta para os foodies de plantão. Afinal, quem mais tem a cara da gastronomia local, que não o chef, que vez ou outra aparece em nossas casas pela TV? Seu legado na gastronomia começou com seu pai, vendendo pizza aos vizinhos. Seu Chicão, inclusive, é o grande incentivador dos filhos, que hoje mantêm o Remanso do Bosque (inaugurado em 2011, que visitamos e seguimos falando nesse texto), o Remanso do Peixe e um laboratório que estuda técnicas locais e (re)inventa os pratos.

    Cercado de jardins de inverno, a ambientação do Remanso do Bosque começa na espera, que mantém uma mercearia com produtos locais (um incentivo aos produtores que ajudam Thiago a manter seu império de pé), como doces em pote, azeites, farinha, cervejas, cachaças e mais – logo na entrada. Também é possível esperar no bar, onde receitas de drinks clássicos recebem a mão local. É o caso da Tacacachaça (R$ 25), que leva uísque Boubon, cachaça de jambu, maracujá, limão taiti, syrup e clara, com sabor frutado, refrescante, mas com paladar de leve dormência. Ou o Moca Mule (R$ 29), preparado com vodca, manga, limão siciliano e espuma de Angostura, de sabor cítrico, refrescante e, ao mesmo tempo, picante. Cervejas, vinhos e drinks complementam a carta.

    “Park buns” de tapioca com barriga de porco (Foto: André Aloi)

    Instalado na mesa, dá vontade de mandar descer todo o cardápio completo. Os highlights da entrada são a linguiça artesanal de maniçoba (R$ 38), “park buns” de tapioca com barriga de porco (R$ 26) e guiosas de carne com jambú (R$ 32). Vamos usar aquele clichê para tentar decifrar o gosto: explosão de sabores! O bolinho de vatapá com aviú (R$ 28, 6 unidades) também é gostoso, mas não essencial. Não foram nossas escolha da vez, mas ainda há opções de torresminhos (conhecidos como “pipoca”), beijus servidos como bruschetta, dadinhos de tapioca e camarões empanados. Difícil de ter algo ruim!

    Filhote Assado na Brasa, que vem com a anotação “clássico” (Foto: André Aloi)

    O cardápio principal oferece pratos que poderiam estar em qualquer restaurante Michelin do mundo, mas por conta dos seus ingredientes só podem ser servidos ali. Não à toa, o chef foi taxado como “alquimista” pelo jornal americano “New York Times”. Thiago estudou gastronomia no interior de São Paulo e voltou para sua terra-natal para aplicar as técnicas ao seu bel prazer. Seu carro-chefe é o Filhote Assado na Brasa, com a anotação “clássico” (R$ 132). Acompanha salada de feijão caupi, macaxeira na manteiga e farofa.

    Burger na Parrilla, servido com queijo marajó no pão brioche e picles de cebola roxa (Foto: André Aloi)
    Tambaqui do Amazonas com purê de abóbora e tropeiro de feijão caupi (Foto: André Aloi)
    Mousse de chocolate com crumble de chocolate do Combu e doce de cupuaçu (Foto: André Aloi)

    O peixe tambaqui do Amazonas com purê de abóbora (R$ 75) é outra delícia. Se você vai com muita gente (nosso caso), é legal pedir pratos diferentes para conhecer de tudo um pouco. Se você não quiser se embrenhar pela cozinha paraense, o sanduíche de pastrami curado e defumado na casa (R$ 36) pode ser uma refeição rápida e certeira porque o paladar é surpreendente. Mas o Remanso Burger na Parrilla (servido com queijo marajó no pão brioche e picles de cebola roxa, R$ 22) é outra saborosa opção para quem tem o paladar mais infantil e não gosta de arriscar, muito menos sair de sua zona de conforto. Mil vezes melhor do que qualquer rede de fast-food!

    Além das carnes, peixes e aves, o restaurante tem uma seção reservada aos vegetarianos. Quando visitamos, havia duas opções. Vale lembrar que não experimentamos estes, mas tendo experimentado boa parte do cardápio, é possível dizer que o paladar não será agradável: moqueca de vegetais com banana da terra ao curry e quiche sem massa de vegetais assados ao forno com queijo (R$ 38 cada).

    Para encerrar a experiência gastronômica, a sobremesa mais icônica de lá é o que eles chamam de “Jardinagem”: um mousse de chocolate (R$ 20) com ribs de cacau, crumble de chocolate do Combu e doce de cupuaçu, servido em um vasinho de barro e a colher para se deliciar é uma pá de jardineiro. Um charme! Se essa experiência toda não te convenceu, melhor pedir o “brownieoca” branco (R$ 22), um bolo quente de macaxeira com chocolate branco, bacuri fresco, castanha do Pará fatiada e creme inglês de baunilha. Há ainda panna cotta de baunilha, crumble de banana e uma versão de O Bacuri versão sugar free (com adoçante, chips de macaxeira e sagu de hibisco (R$ 20, em média). Reserve antes de ir! Dependendo da época do ano (em especial a do Círio de Nazaré, em outubro), a fila vai ser grande e/ou não vai ter lugar!

    Foto: Octavio Cardoso/Divulgação

    Remanso do Bosque Restaurante – Av. Rômulo Maiorana, 2350 – Marco, Belém / Telefone: (91) 3347-2829


    *O repórter viajou a convite da Secretaria de Turismo do Governo do Pará com a finalidade de promover o Círio de Nazaré. Quem cuidou do receptivo foi a agência Boeing e nossa guia durante a estadia foi Amanda Coimbra (@guiadebelem).

    Mais Recentes da CNN