Harmonizações: casamentos perfeitos entre comidas e bebidas que fogem do óbvio

Se engana quem pensa que hambúrguer só combina com cerveja. Fred Sabbag indica casamentos perfeitos e que nem todo mundo conhece

Fred Sabbag indica harmonizações perfeitas e pouco usuais
Fred Sabbag indica harmonizações perfeitas e pouco usuais Moritz Mentges on Unsplash

CNN Viagem & Gastronomiado Viagem & Gastronomia

Ouvir notícia

Por Fred Sabbag

Quando se pede um prato no bar/restaurante ou na preparação em casa, automaticamente se pensa na bebida que acompanhará. Apesar de a água ser uma bebida sagrada (e a mais necessária de todas), vocês leitores hão de convir que é um pouco “sem graça” tê-la como acompanhamento de uma refeição.

Por isso, nada melhor que, do mesmo jeito em que se pensa da entrada à sobremesa, planejar a melhor bebida possível para a ocasião. Mais ainda, nada melhor do que saber previamente o que vai ou não vai bem nessa harmonização entre comida e bebida.

Ao pensar nisso automaticamente muitos associam a harmonização de comida apenas com vinho, o que – apesar de ser ótimo – é uma injustiça com tantas bebidas que podem fazer o mesmo (ou até melhor) papel.

E, afinal, para que serve a harmonização entre comida e bebida? Fala-se muito que uma boa harmonização deixa a boca “limpa” para a próxima mordida ou golada. Eu prefiro dizer, humildemente, que o melhor da harmonização é destacar os sabores de bebida e comida.

Nesse sentido, é importante ter em mente que a harmonização entre bebida e comida pode se dar por semelhança, onde se considera o perfil de ambos, ou por contraste, onde se considera os opostos, como doce versus salgado, por exemplo.

Seguindo essa linha, o texto de hoje, quem nem de longe pretende ser um “guia” de harmonização, traz a vocês algumas ideias de bebidas – das mais variadas, além do vinho – que combinam com alguns tipos de comida.

Negroni com pão, anchova e manteiga

Negroni, drink robust que casa bem com anchova / Foto: André Clemente

Creio que todos saibam que o Negroni é um coquetel à base de gin, vermute e Campari. É um drink robusto de que nem todos gostam, mas quem gosta não deixa de bebê-lo. A mistura da textura amanteigada e o salgado da tríade pão-manteiga-anchova, quando combinado com o agridoce do Negroni, deixam o paladar completamente limpo para a próxima mordida.

Recomendo a montagem do coquetel em casa, com 30ml de gin, 30 ml de vermute rosso e 30 ml de Campari ou, por praticidade, o Negroni engarrafado da Bitter & Co.

 

Vinho tinto de Beaujolais com hambúrguer

Vinho tinto de Beaujolais com hambúrguer / Foto: Fred Sabbag

O vinho tinto de Beaujolais tem bem presentes o sabor fresco da uva Gamay e uma deliciosa acidez. É um vinho geralmente leve, alegre e fácil de beber, que pode variar de leve e frutado a encorpado e estruturado.

Todas essas expressões complementam perfeitamente os sabores e a suculência do hambúrguer.

Recomendo o Pierre Cotton Beaujolais Rouge 2019, importado pela Cellar Vinhos, ou o Comaines Chermette Les Griottes 2019, importado pela Wines4U.

Cerveja stout com ostra

Pode soar estranha essa combinação, já que geralmente dizem que a harmonização-chave de ostras é vinho branco ou espumante. Fato é que essa harmonização sempre foi popular na Irlanda, já que as ostras eram um alimento acessível aos trabalhadores.

A harmonização do doce da cerveja stout com a mineralidade da ostra é outra que limpa a boca e deixa uma sensação refrescante que deve ser experimentada.

Recomendo a clássica cerveja Guinness e, como o próprio nome já diz, a Oyster Stout.

Hidromel com queijo

Hidromel e queijos combinam perfeitamente, principalmente com os de sabores mais intensos / Foto: Allison Kettlety on Unsplash

Tido como uma das bebidas mais antigas do mundo e ligada aos vikings, o Hidromel – cuja fermentação ocorre com os açúcares presente no mel – vai muito bem com queijos.

Mas quais queijos? Dentre a variedade existente, recomenda-se a escolha de queijos com sabores intensos e que constrastem com o dulçor da bebida, tais como queijos azuis, gruyère e emmenthal.

Recomendo o Hidromel da Animali Bebidas e da Vinícola Villa Santa Maria.

Vinho espumante com frango frito ou coxinha

Tida como uma harmonização clássica da atualidade, espumante e frango frito parecem ter nascido um para o outro. De um lado, a acidez, o frescor e a baixa temperatura do espumante e, de outro, a crocância, gordura e suculência do frango frito. Casamento ideal para deixar a boca limpa.

Importante ressaltar que não se está aqui a limitar a harmonização ao champagne. A experiência pode ser um pouco mais em conta como, por exemplo, com um crémant ou espumante.

Recomendo o Crémant de Bourgogne Blanc de Noit Extra Brut da Maison Fréderic Magnien, importado pela Cellar Vinhos, ou o Bodegas Calentein – Cuvée Epeciale da Bodegas Salentein, importado pela Zahil Vinhos.

 

Fred Sabbag
O advogado e entusiasta gastronômico Fred Sabbag / Foto: acervo pessoal

Fred Sabbag é advogado por profissão, mas, no tempo livre, nada de processos ou trâmites judiciais: uma de suas maiores paixões é frequentar bares e restaurantes. O hábito rendeu-lhe inúmeros seguidores no Instagram (@fredsabbag) e o tornou numa celebridade da gastronomia em São Paulo.


Mais Recentes da CNN