por: Viagem e Gastronomia Viagem e Gastronomia

Catedral da Sé, em São Paulo, oferece brunch com visita a áreas exclusivas

Para sair da mesmice: imagina tomar um brunch olhando para os enormes vitrais e colunas da maior igreja da cidade? É possível!

Brunch na Catedral da Sé acontece um domingo por mês, com vagas limitadas e valor dos ingressos revertido para manutenção da igreja
Brunch na Catedral da Sé acontece um domingo por mês, com vagas limitadas e valor dos ingressos revertido para manutenção da igreja Tina Bini

Tina Binido Viagem & Gastronomia

São Paulo

Ouvir notícia

Um dos mais conhecidos símbolos paulistas, a Praça da Sé é o coração de São Paulo: ali fica o monumento do marco zero, o centro geográfico da metrópole. Quem também marca presença com sua estrutura imponente é a Catedral Metropolitana de São Paulo, a famosa Catedral da Sé.

Elaborada pelo alemão Maximilian Emil Hehl, professor de Arquitetura da Escola Politécnica, a catedral teve sua inauguração no dia 25 de janeiro de 1954, nas comemorações do Quarto Centenário da Cidade de São Paulo, sem ainda possuir suas duas torres principais e apenas 41 anos depois do início de sua construção, em 1913.

Participantes do brunch são convidados a subirem até a cúpula da Catedral para uma visão panorâmica do centro da cidade / Foto: Tina Bini

Considerada a maior igreja da cidade de São Paulo e um dos cinco maiores templos góticos do mundo, seu estilo é peculiar por reunir diversas características arquitetônicas. As colunas de 70 metros de altura têm desenhos de elementos típicos da fauna e flora brasileiras, como ramos de café e um tamanduá-bandeira, por exemplo. Já a cúpula é inspirada no estilo renascentista.

Todos os mosaicos, esculturas e mobiliário vieram de navio da Itália, além do seu gigantesco órgão, um dos maiores da América Latina. Construído no ano de 1954, o instrumento que infelizmente não está funcionando, apresenta cinco teclados manuais, 329 comandos, 120 registros e 12 mil tubos, cujas bocas, de forma gótica, têm relevos entalhados de forma manual. Já existe um projeto para restaurá-lo, porém é necessário enviar o enorme instrumento para o seu país de origem – o que custa uma pequena fortuna inacessível para a instituição.

A cripta da Sé foi inaugurada em 1919 e mantém, até os dias atuais, os sarcófagos dos bispos e arcebispos / Foto: Tina Bini

A catedral possui ainda uma cripta, inaugurada em 1919. Com trabalhos artísticos de Francisco Leopoldo, conceituado escultor brasileiro, e trinta câmaras mortuárias, mantém, até os dias atuais, os sarcófagos dos bispos e arcebispos, além de guardar os restos mortais do cacique Tibiriçá, o primeiro cidadão de Piratininga, e do padre Feijó, Regente do Império.

Com capacidade para abrigar oito mil pessoas, sua grandiosidade impressiona e nos faz esquecer- por alguns instantes- da loucura que é do lado de fora, bem no centro de uma das maiores cidades do mundo.

A experiência se torna ainda mais inesquecível quando temos a oportunidade de tomar um brunch, literalmente, em cima do altar da Catedral.

Vista da área onde é servido o brunch na Catedral da Sé / Foto: Tina Bini

Em um evento que reúne fé, arte e gastronomia e que tem vagas limitadas e disputadas, independente da sua religião, é o tipo de passeio que vale a pena fazer ao menos uma vez na vida.

A cada mês um renomado chef é convidado para comandar o brunch, entre os nomes que já passaram por lá estão Morena Leite, Daniel Aquino, Monica e Dalton Rangel, Carlos Koji, entre outros. Servido de maneira graciosa, com linda decoração e apetitosos itens, que variam a cada edição, a refeição é memorável.

 

O brunch começa logo após a tradicional missa dominical das 11h. Ao subir as escadas para a área da refeição a expectativa aumenta, afinal, é um local fechado, que só os poucos participantes do evento têm acesso.

As sentar nas mesas redondas e compartilhadas, imediatamente, é oferecido um espumante ou vinho para brindar o domingo especial.

Brunch na Catedral da Sé é oferecido uma vez por mês sob o comando de chefs renomados / Foto: Tina Bini

Após um breve discurso de agradecimento do Padre Baronto, onde ele explica que toda a verba arrecadada nos brunches é dedicada exclusivamente para a manutenção da Igreja e seus inúmeros projetos sociais, o grande buffet é aberto e cada um pode se servir à vontade.

Após o brunch os convidados têm a oportunidade de participarem de um tour guiado pela Igreja, onde é possível aprender mais sobre a história e a arquitetura do local e fazer algo que poucos sortudos têm a oportunidade: subir até a cúpula da catedral para uma visão panorâmica do centro da cidade.

Mesa das sobremesas do Brunch na Catedral da Sé / Foto: Tina Bini

Todo o programa dura cerca de 4 horas, e é literalmente uma imersão num marco importante do catolicismo, da história e da política do nosso país.

*A próxima edição ocorre nesse domingo, 17 de outubro, com brunch comandado pelo chef Gibson Mathias. O valor por pessoa é de R$ 250 e os ingressos devem ser comprados com antecedência via WhatsApp (11) 98680-7940. 


Mais Recentes da CNN