por: Viagem e Gastronomia Viagem e Gastronomia

“Viagem de vingança”: entenda a nova tendência entre os viajantes em 2022

Escolher finalmente visitar aquele destino dos sonhos ou fazer o merecido upgrade nos voos: conheça como os viajantes estão embarcando em uma "revenge travel" - ou "viagem de vingança" - em 2022

Revenge travel ou viagem de vingança: viagens no maior clima "agora eu posso"!
Revenge travel ou viagem de vingança: viagens no maior clima "agora eu posso"! Fokke - stock.adobe.com

Lilit Marcusda CNN

Ouvir notícia

À medida que mais e mais países reabrem suas fronteiras para turistas ansiosos, uma nova frase da moda surgiu nas mídias sociais: “revenge travel” ou “viagem de vingança”.

O termo tem sido usado para descrever viagens tão variadas quanto reuniões de família, grandes férias luxuosas e viagens a lugares favoritos, o que leva a uma pergunta importante: o que é isso, afinal?

“Vingança” geralmente tem uma conotação negativa, o que contradiz o sentimento alegre e animado que muitas pessoas têm sobre fazer suas primeiras férias em mais de dois anos.

Mas a ideia de “viagem de vingança” parece ser mais sobre amar viajar do que fazer as pazes com um destino específico. A menos que Romênia tenha “roubado” seu namorado ou namorada ou o Peru tenha feito você ser demitido do seu emprego, soa muito estranho se vingar de um lugar.

Talvez “viagem de vingança” possa ser interpretada como vingança contra a pandemia, ou contra a própria Covid.

Também não é isso. Então, o que é?

“Viagem de vingança é um chavão da mídia que se originou em 2021, quando o mundo começou a reabrir e as pessoas decidiram compensar o tempo perdido”, diz Erika Richter, vice-presidente da American Society of Travel Advisors (ASTA).

Parte do problema é que não há uma boa maneira de descrever o clima atual das viagens ao redor do mundo. “Viagens pós-pandemia” não são muito precisas, já que a pandemia ainda não acabou em muitos lugares. Diferentes países e regiões estão operando em diferentes cronogramas, com alguns eliminando todas as barreiras para a entrada, enquanto outros permanecem estritamente controlados ou até fechados para visitantes estrangeiros.

Erika Richter concorda com o sentimento geral por trás do conceito, mesmo que ela não use o termo “viagem de vingança”.

“Acho que é outra maneira de dizer: ‘Ei, a vida é curta. Eu quero reservar essa viagem. Quero passar mais tempo com a família. Quero me conectar com a humanidade e com a natureza. Quero explorar o mundo e buscar experiências que me façam sentir viva.'”

Ela não é a única na indústria do turismo lutando para descobrir como falar sobre “viagem de vingança” como uma tendência.

“Eu não acho que o prefixo ‘vingança’ seja apropriado para o que a viagem deveria ser”, diz Rory Boland, editor da revista Which?. Ele chama “viagem de vingança” um “termo estranho e feio”.

No entanto, reconhece que a frase tem uma conexão clara com as pessoas.

“O que está tentando capturar, eu acho, é o desejo que muitas pessoas têm de viajar novamente, ver novos lugares e conhecer novas pessoas, depois de um período que parecia estático e sombrio”.

As pessoas que estão “viajando por vingança”

Quer usem ou não o termo “viagem de vingança”, muitos viajantes relatam que estão fazendo sua primeira grande viagem desde o início da pandemia.

Deborah Campagnaro, que mora na Colúmbia Britânica, Canadá, é uma delas.

Ela se aposentou de seu emprego de mais de 30 anos em serviços de investimento durante a pandemia e estava ansiosa para tirar férias comemorativas com o marido. O casal fez uma viagem em grupo ao Nepal em 2016 para caminhar no Circuito Annapurna, uma caminhada desafiadora por alguns dos picos mais altos do país.

Eles adoraram tanto a viagem que planejaram voltar ao Nepal, desta vez em um roteiro personalizado. Fechamentos relacionados à pandemia e dificuldades climáticas significaram que eles tiveram que adiar várias vezes. Finalmente, eles confirmaram reservas para setembro de 2022.

Deborah e seu marido estão se dedicando a mais tempo e experiências em vez de estadias em resorts sofisticados. Eles ficarão no Nepal por um mês inteiro e adicionaram alguns dias na cidade à beira do lago de Pokhara.

“Isso não teria acontecido antes”, diz ela sobre a viagem paralela. “Estamos fazendo isso agora porque podemos. É muito, muito bom ter algum tempo de inatividade depois de uma caminhada.”

Brittney Darcy, moradora de Rhode Island, também está ansiosa por uma viagem que foi arruinada pela pandemia.

A jovem de 26 anos sonha em ir a Paris desde pequena assistindo seu filme favorito, “Sabrina”. Mas a viagem planejada para o verão de 2020 com o namorado foi cancelada quando o Covid eclodiu.

Agora, ela finalmente remarcou as férias dos seus sonhos – mas com mais paradas e alguns upgrades. Em vez de cinco dias em Paris, ela passará duas semanas no exterior, na França e na Itália.

“Fiz uma viagem de cross-country durante a Covid, mas não foi suficiente e sempre quis ir a Paris e Itália e nunca fui. Somos jovens e por que não?” ela disse à CNN.

O dinheiro que ela economizou por não viajar por dois anos está sendo investido em alguns upgrades de férias. Em vez de fazer escala na Islândia ou na Irlanda, Darcy e o namorado pagaram mais caro por um voo direto de Boston.

Darcy admite que nunca tinha ouvido o termo “viagem de vingança”, mas uma vez que o fez, era um termo perfeito para aplicar à sua viagem à Europa.

“A Covid me tornou menos frugal. Vivemos apenas uma vez, então posso gastar meu dinheiro em experiências.”

Compensando o tempo perdido

Uma coisa é clara: à medida que a vacinação avança e as portas reabrem, as pessoas ao redor do mundo estão ansiosas para voltar à estrada novamente.

A empresa de reservas de viagens Expedia rastreia dados de pesquisa online relacionados a viagens e turismo. Em 2021, o maior aumento no tráfego médio de busca de viagens – 10% – foi em maio, uma semana depois que a União Europeia votou para estender seu contrato com a Pfizer e aprovar a vacina para uso em adolescentes.

A pesquisa da Expedia descobriu que 60% dos consumidores tinham planos de viajar internamento e 27% para viajar internacionalmente em 2022.

E muitos desses viajantes estão dispostos a gastar mais dinheiro em férias do que gastariam no passado.

Dois anos de permanência em casa significa que algumas pessoas economizaram dinheiro e agora podem esbanjar em um hotel mais chique, uma passagem de avião de primeira classe ou uma experiência única na vida.

Além disso, cada vez mais empresas mudaram permanentemente suas políticas de trabalho remoto pós-pandemia.

Uma pesquisa do Pew publicada em fevereiro mostrou que 60% dos trabalhadores com trabalhos que podem ser feitos em casa disseram que gostariam de trabalhar em casa o tempo todo ou a maior parte do tempo quando a pandemia terminar, se puderem.

Para algumas pessoas, trabalhar em casa não significa necessariamente estar em casa – pode significar experimentar um Airbnb em outro país e passar várias semanas ali combinando trabalho e viagem.

Alguns destinos estão cortejando abertamente trabalhadores remotos. Ilhas caribenhas como Barbados e Anguilla ofereceram vistos especificamente para trabalhadores remotos ou “nômades digitais” como forma de impulsionar o turismo.

Então chame isso de “viagem de vingança” ou não. De qualquer forma, é evidente que as pessoas mudaram suas mentalidades de viagem desde o início da pandemia, e aquela sensação de “oh, finalmente!” tem muito poder para vender passagens aéreas e pacotes de hotéis.

Uma das pessoas que participa da tendência é Christie Hudson, chefe de relações públicas da Expedia, que trabalhou na pesquisa de viagens da empresa.

“Honestamente, não fiquei muito surpresa [pelos resultados da pesquisa] simplesmente porque as descobertas ressoaram tão fortemente com a maneira como me sinto pessoalmente”, diz ela. “Durante minha última escapada de fim de semana, reservei vários compromissos no spa e fiz upgrade de nossos voos para a primeira classe. Senti que merecia.”

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN