por: Viagem e Gastronomia Viagem e Gastronomia

Investidores compram ilha caribenha para fundar o próprio país

Grupo arrecadou mais de US$ 250 mil através de financiamento coletivo e comprou ilha desabitada de Coffee Caye, na costa de Belize, no Caribe

Proprietários de terras: Os investidores pagaram US$ 180.000 mais impostos pela ilha e estão vendendo ações por US$ 3.250 cada
Proprietários de terras: Os investidores pagaram US$ 180.000 mais impostos pela ilha e estão vendendo ações por US$ 3.250 cada Richard Collett

Richard Collettda CNN

Ouvir notícia

“Quem não gostaria de comprar uma ilha?”, Marshall Mayer pergunta enquanto liga o motor do barco e corta as águas calmas do Mar do Caribe. Belize fica para trás, desaparecendo rapidamente de vista, à medida que um grupo de ilhas cobertas de mangue cresce no horizonte.

“E eu não sei quanto a você”, diz Mayer, “mas eu certamente não posso me dar ao luxo de comprar uma ilha sozinho!”.

Mayer é cofundador do Let’s Buy an Island, um projeto ambicioso que em 2018 se propôs a financiar coletivamente a compra de uma ilha. Em dezembro de 2019, as aspirações do grupo se tornaram realidade, arrecadando mais de US$ 250 mil para concluir a compra de Coffee Caye, uma ilha desabitada de 1,2 acres na costa de Belize.

Os investidores não estavam apenas comprando uma parte da propriedade de Belize. Eles também estavam investindo em um projeto incomum de construção de uma nação, porque Coffee Caye, renomeada como “Principado de Islandia”, completo com sua própria bandeira nacional, hino e governo, também é a mais nova “micronação” do mundo – uma entidade que reivindica independência, mas não é reconhecida como tal pela comunidade internacional.

Agora, no início de 2022, Mayer está liderando a turnê inaugural de Coffee Caye, enquanto um grupo misto de investidores e turistas intrigados chega à primeira ilha com financiamento coletivo do mundo.

“Essa sensação de pisar em uma ilha na qual você investiu e possui”, diz Mayer, após o passeio de barco de 15 minutos a partir da cidade de Belize, “é uma sensação incrível”.

Leva apenas alguns minutos para caminhar de uma ponta a outra de Coffee Caye, mas Mayer está ansioso para levar o grupo de 13 pessoas no primeiro passeio a pé pela ilha.

Coffee Caye é longa, fina e lembra vagamente a forma de grão de café. Um lado da ilha, onde uma clareira dá para uma pequena praia que desce para uma baía rasa, foi instalado o acampamento para passar a noite. A outra metade de Coffee Caye é densa, com arbustos e cercada por manguezais.

Mayer e vários outros investidores já haviam acampado em Coffee Caye em viagens de reconhecimento antes, mas essa foi a primeira excursão noturna em que qualquer pessoa – investidor ou não – poderia participar. Isso leva a uma excursão mais ampla de vários dias pelo continente Belize, parte dos planos mais amplos do projeto para promover o turismo em sua nação anfitriã.

Uma comunidade democrática

Local pequeno: Medindo apenas 1,2 acres, não há muito nesta pequena ilha, mas os investidores veem um grande potencial / Richard Collett

Para Mayer, isso também é o culminar de anos de financiamento coletivo e esforços de caça às ilhas, e ele estava animado enquanto mostrava ao grupo a ilha Coffee Caye.

A ideia inicial do financiamento coletivo para uma ilha surgiu há quase 15 anos, quando Gareth Johnson, cofundador e CEO do projeto, comprou o nome do domínio letsbuyanisland.com depois de decidir que seria divertido comprar uma ilha e iniciar uma micronação.

Johnson, que não pôde ir a Belize para esta turnê, também cofundou a Young Pioneer Tours, uma empresa especializada em levar viajantes a destinos extremos como Coreia do Norte e Síria, e a Estados não reconhecidos como Transnístria, Abkhazia e Nagorno-Karabakh, que reivindicam a independência dos países vizinhos.

Com uma base de clientes dedicada a visitar destinos politicamente disputados, a ideia de comprar uma ilha para iniciar uma micronação ressurgia repetidamente nas excursões de Johnson a locais distantes.

Então, em 2018, quando uma ilha nas Filipinas foi colocada à venda, a velha ideia de Johnson de fazer o financiamento coletivo de uma ilha foi reacendida.

“Quando Gareth me deu a ideia pela primeira vez, pensei: meu Deus, não, isso nunca se tornará realidade”, disse Mayer, que conheceu Johnson em uma viagem organizada pela Young Pioneer Tours. “Mas ele começou a explicar quanto uma ilha poderia custar, e percebemos que, na verdade, existem partes do mundo onde comprar uma ilha era muito mais realista do que eu jamais pensei ser possível, especialmente se juntarmos nossos reservas financeiras”.

Os membros fundadores estabeleceram desde o início que cada ação na ilha custaria US$ 3.250. Até agora, eles venderam quase 100 ações e estão contando. Enquanto os investidores podem comprar várias ações, cada pessoa tem direito a apenas um voto no processo democrático de tomada de decisão.

Uma lista de ilhas nas Filipinas, Malásia, Irlanda, Panamá e Belize foi elaborada após extensa pesquisa, e os investidores votaram em Coffee Caye, já que é uma típica ilha tropical, também é razoavelmente fácil de alcançar e que eles podiam comprar à vista.

A Coffee Caye foi comprada por US$ 180 mil mais impostos, e a venda foi concluída em dezembro de 2019 – pouco antes da Covid-19 interromper quaisquer outros planos.

Escapismo e experimentação

A única acomodação da ilha por enquanto é sob a lona das barracas / Richard Collett

Essa pode ser a primeira vez no mundo que acontece um financiamento coletivo bem-sucedido da compra de uma ilha, mas há um forte precedente de micronacionalismo que inspirou o Principado de Islandia, que é uma característica fundamental do projeto para muitos dos investidores obcecados por viagens.

Micronações – territórios muitas vezes excêntricos que afirmam ser estados-nação independentes – podem entregar títulos luxuosos a seus apoiadores, criar constituições incomuns e leis peculiares.

O Principado de Sealand, uma plataforma de combate da Segunda Guerra Mundial na costa da Inglaterra que foi declarada uma nação independente por seus novos proprietários em 1967, é um exemplo famoso de micronação e forneceu inspiração direta para o Principado de Islandia. Outra é a República de Uzupis, um bairro de Vilnius, na Lituânia, que tem sua própria constituição e também reivindica a independência.

Para Johnson, transformar Coffee Caye em uma micronação é uma forma de escapismo e experimentação. “Quem nunca sonhou em fazer seu próprio país?”, ele diz. “Particularmente, em um mundo pós-Trump, pós-Brexit, Covid. Se um bando de pessoas comuns pode fazer isso funcionar, talvez possa ser uma força para o bem”.

Como muitas micronações antes dessa, o Principado de Islandia começou a construir todos os aparatos tradicionais de um estado-nação. Há um hino nacional, uma bandeira de Islandia e um governo que é eleito entre os investidores. Johnson até brinca que ele detém o “papel confidencial de chefe da polícia secreta”.

Investidores e visitantes de Coffee Caye automaticamente se tornam cidadãos do Principado de Islandia – também haverá novos passaportes de Islandia – e qualquer um pode apoiar a micronação comprando a “cidadania” ou títulos como Lord ou Lady of Islandia por uma pequena taxa, sem precisar investir.

A construção da nação tem seus desafios, no entanto. Mayer admite que em uma viagem de reconhecimento anterior à ilha, eles deixaram para trás uma bandeira de Islandia e um carimbo de passaporte de Islandia, ambos desapareceram, anulando os planos para uma cerimônia de hasteamento da bandeira.

Alguns levam o Principado de Islandia mais a sério do que outros.

Enquanto Johnson diz com confiança: “Estamos tão perto de uma nação quanto você pode chegar, sem ter um exército e uma marinha”, Mayer vê isso mais como uma ferramenta de marketing peculiar.

Mayer enfatiza que a micronação deve ser vista como “ironia” e que, embora possam fazer suas próprias regras quando estiverem na ilha (como, por exemplo, não usar plásticos descartáveis, ele disse), Coffee Caye ainda cai diretamente dentro das leis e fronteiras de Belize.

“Por que eu não investiria?”, diz outro investidor, Stephen Rice, enquanto o grupo de visitantes mistura rum dentro de cocos para drinks comemorativos na praia. “Posso dizer a todos os meus amigos que possuo uma ilha!”.

Risco de investimento

Rice vestiu suas melhores calças de secagem rápida para a viagem e um paletó que ele trouxe dos Estados Unidos, especialmente para a ocasião.

Rice foi o segundo investidor no projeto, depois de Mayer, e está envolvido desde o início. Por um voto, ele perdeu a eleição para ser o Chefe de Estado do Principado de Islandia nas eleições mais recentes.

Rice diz que o projeto nunca vai torná-lo rico, mas o custo da ação também não vai levá-lo à falência. Para Rice, trata-se principalmente de se divertir e realizar o sonho de possuir (ou copossuir) uma ilha.

Investidores como Rice podem visitar a ilha a preço de custo e também receberão uma porcentagem de quaisquer lucros que possam ser obtidos no futuro ou se a ilha for vendida. “Você pode pensar que estou tentando lhe vender um timeshare”, diz Rice, “mas sou eu que estou pagando para estar aqui na minha própria ilha”.

Let’s Buy an Island ainda está levando investidores para o próximo estágio de desenvolvimento, com um limite sendo aplicado se o número de investidores atingir 150. Exatamente o que a próxima etapa implicará, ninguém tem certeza, e enquanto o grupo de turistas se senta ao redor da churrasqueira, preparando o almoço e abrindo cervejas, o futuro do Coffee Caye é debatido.

Sendo um grupo de viajantes mais acostumados a explorar destinos ex-soviéticos do que ilhas tropicais, as ideias vão desde erguer uma estátua de Lenin até criar um jardim de esculturas subaquáticas de ditadores mundiais, que incluiria um busto afundado do norte-coreano Kim Jong Un.

As ideias de Mayer para a ilha envolvem a regeneração do recife de coral ao redor, ao mesmo tempo em que desenvolve um local de para acampamento de luxo ou transforma contêineres em acomodações do tipo boutique básicas. Ele quer que a ilha se torne um “lugar de convivência”, com um pequeno restaurante ou bar, caiaques e snorkeling; não apenas para investidores, mas para turistas e moradores da cidade de Belize.

Potenciais investidores terão perguntas a fazer, no entanto, incluindo preocupações sobre furacões e aumento do nível do mar que podem afetar a ilha.

Velvet Dallesandro, que se juntou à turnê porque ficou intrigada com o conceito de financiamento coletivo de uma ilha, ainda não está tentada a investir por causa desses riscos. “A micronação é uma verdadeira novidade”, diz ela. “Mas com a mudança climática, será uma batalha contínua para mantê-la acima da água. Uma passagem de furacão, e pode acabar com tudo isso”.

Uma força para o bem?

O investidor Stephen Rice em Islandia / Richard Collett

Oscar D. Romero, corretor de imóveis de Belize que fundou a Coffee Caye para Let’s Buy an Island, diz que o grupo precisa “equilibrar o meio ambiente e o crescimento econômico”. Romero explica que eles precisariam de licenças ambientais e autorização do governo para qualquer empreendimento, já que os manguezais e a barreira de corais próxima têm status de proteção.

Romero diz que se a ilha puder ser desenvolvida de forma sustentável, envolver os belizenhos locais sempre que possível e ajudar a regenerar o meio ambiente, então o projeto pode ser uma força para o bem.

O futuro de Coffee Caye e do Principado de Islandia está nas mãos de seus investidores, e resta saber se e como a ilha se desenvolve, e até onde vai a experiência com o micronacionalismo.

A curto prazo, Coffee Caye e o Principado de Islandia já ajudaram a criar uma das comunidades de amantes de viagens mais peculiares do mundo. Há investidores de 25 países diferentes, com profissões que variam de condutor de trem a CEO, mas todos eles têm habilidades e entusiasmo que podem ser aproveitados na ilha.

Mayer até trouxe sua namorada para pedir em casamento (ela disse sim), enquanto Rice diz que Coffee Caye “mexeu totalmente com a filosofia de viagem de ir a um lugar, apenas uma vez. Já estive aqui três vezes”.

“As pessoas realmente acreditaram no conceito”, diz Mayer enquanto o grupo deixa a ilha no dia seguinte. “Foi um salto de fé louco, mas nosso objetivo inicial de comprar uma ilha, nós conseguimos. Mas a próxima fase, para onde vamos, nunca fizemos planos porque não sabíamos que chegaríamos tão longe”.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN