por: Viagem e Gastronomia Viagem e Gastronomia

Feriado em São Paulo: os pontos turísticos mais icônicos do centro da capital

Com muita história, fervo cultural impressionante e potencial turístico, região central da metrópole guarda bons programas a todos os tipos de visitantes

Daniela Filomeno no novo terraço do Museu da Língua Portuguesa, na histórica Estação da Luz, no centro de São Paulo
Daniela Filomeno no novo terraço do Museu da Língua Portuguesa, na histórica Estação da Luz, no centro de São Paulo Daniela Filomeno

Daniela Filomenodo Viagem & Gastronomia

São Paulo

Ouvir notícia

São Paulo, a maior e mais populosa cidade de todo o hemisfério sul, foi fundada em 1554 com uma missa no Pateo do Collegio, instituição jesuíta no centro da cidade que faz parte dos pontos imperdíveis da região.

E foi por esses arredores que a capital paulista começou a se desenvolver, passando por transformações profundas ao longo dos séculos que levaram o centro a ser um importante núcleo econômico e social de São Paulo.

Hoje, podemos ver uma efervescência histórica e cultural pelas ruas da região, que mesclam a nostalgia dos antigos edifícios e monumentos históricos com intervenções urbanas modernas do século XXI. Quer história? O centro tem. Quer se divertir? Também é possível. E comer bem? São inúmeras opções das mais diversas gastronomias.

Sem a menor dúvida não contemplei nesse texto todos os pontos importantes e imperdíveis da região, seria impossível. Fiz aqui um apanhado dos pontos clássicos que todos – turistas e residentes da cidade – precisam conhecer ao menos uma vez na vida.

São igrejas, museus, arranha-céus, monumentos, instituições, parques e outros tantos locais que fazem do centro uma região  indispensável de se visitar e que retratam tesouros e a história da metrópole.

Com mais feriados à vista, como o de Nossa Senhora Aparecida ou conhecido como feriado do Dia das Crianças em outubro e Finados e Proclamação da República em novembro, te convido a fazer um tour pelos pontos icônicos do centro de São Paulo. Vamos comigo?

Praça e Catedral da Sé

Daniela Filomeno no telhado da imponente Catedral da Sé / Foto: CNN Viagem&Gastronomia

Um dos mais conhecidos símbolos paulistas, a Praça da Sé é literalmente o coração de São Paulo: ali fica o monumento do marco zero, o centro geográfico da metrópole. Quem também marca presença com sua estrutura imponente é a Catedral Metropolitana de São Paulo, a famosa Catedral da Sé.

Construída a partir de 1913 e inaugurada apenas 41 anos depois, em 1954, é marcada por um mix de estilos, mas o neogótico predomina com sua arquitetura grandiosa e pontiaguda. A grande cúpula e as altas torres podem ser vistas de longe entre as paisagens do centro – é linda!

Se de fora ela já passa uma impressão de grandiosidade, seu interior não deixa nada a desejar: os inúmeros vitrais, pé direito alto e tetos de estrutura côncava deixam qualquer um maravilhado. Para mim, é a síntese de um local de silêncio e de introspecção. Sua cripta também é famosa: ali ficam corpos sepultados de figuras importantes para São Paulo, como do cacique Tibiriçá, um dos primeiros índios a ser catequizado e que ajudou na fundação da cidade.

Quer deixar o passeio ainda mais apetitoso? Um brunch ocorre dentro da catedral periodicamente (fique de olho nas redes sociais oficiais) em que, além das delícias servidas, a experiência contempla visita às torres e à cúpula – restritas ao público geral no dia a dia.
Praça da Sé – Sé, São Paulo – SP.

Mosteiro de São Bento

Mosteiro de sao bento sao paulo
Basílica do mosteiro com detalhe para o relógio alemão entre as duas torres. Local é lar de ao menos 40 monges / Foto: Wikimedia Commons

Completando o circuito da fé, não deixe de conhecer o Mosteiro de São Bento, no Largo de São Bento. É uma parada sacra que vale também para quem não é religioso, já que o local possui uma íntima ligação com a história da cidade.

Marcado pelo conjunto arquitetônico da Basílica Nossa Senhora da Assunção, do Colégio de São Bento e da Faculdade de São Bento, as construções que ali vemos hoje não são as mesmas originais de mais de 400 anos atrás: as edificações atuais datam dos anos 1910 e 1912, sendo a quarta construção no terreno. O local é lar também de ao menos 40 monges.

Não deixe de apreciar as missas com cantos gregorianos junto do som do grande órgão alemão, uma das grandes atrações do mosteiro. É de arrepiar! As celebrações ocorrem todos os dias, mas a mais tradicional – e concorrida – acontece às 10h aos domingos. Uma vez ali, vá até a Padaria do Mosteiro, que vende bolos, pães, doces e biscoitos feitos pelos monges a partir de receitas seculares guardadas a sete chaves.

Além do interior encantador, o exterior da basílica guarda uma preciosidade: o relógio externo, que fica entre as duas torres, é de fabricação alemã e considerado o mais preciso de toda a cidade. E uma curiosidade: o Papa Bento XVI ficou hospedado em um dos aposentos mais simples do mosteiro em sua primeira visita ao Brasil, em maio de 2007.
Largo São Bento, s/nº – Centro Histórico de São Paulo, São Paulo – SP

Farol Santander e Edifício Martinelli

vista do mirante do farol
Vista de um dos lados do mirante do Farol Santander no 26º andar. Não deixe de conferir também o Bar do Cofre em seu subsolo/ Foto: reprodução

São 161 metros de altura, 35 andares e mais de mil janelas que fazem do Edifício Altino Arantes, antes conhecido como “Banespão”, um dos cartões postais mais famosos da cidade, a poucos passos do Mosteiro de São Bento. Encravado bem próximo às ruas que formavam o centro bancário, o grande prédio de 1947 teve projeto inspirado no icônico Empire State Building, em Nova York.

Hoje batizado de Farol Santander, seu interior guarda um acervo de memória e exposições temporárias ao longo dos andares. Logo no salão de entrada, antes de subir nos elevadores, somos recebidos por um impressionante lustre de cristal de quase 13 metros, artefato estonteante de se ver. Um dos andares mais concorridos é o 26º: ali fica o mirante, que possui uma bela vista de São Paulo e, com indicações nos vidros, informa os turistas sobre pontos importantes – é possível vislumbrar lá do alto o Vale do Anhagabaú, o Viaduto Santa Ifigênia, o Pico do Jaraguá, entre outros marcos.

O interessante é que há ainda uma pista de skate no 21º andar, um loft para eventos no 25º e o Bar do Cofre, comandado pelo SubAstor, no subsolo do edifício. Um verdadeiro passatempo delicioso no coração da cidade!

Interessada em mais passeios históricos nas alturas? Bem próximo, na Rua São Bento, fica o Edifício Martinelli, o primeiro arranha-céu da cidade. Sua inauguração ocorreu em 1929 e possui 105 metros de altura, com uma fachada exterior fotogênica.

Do alto de seu mirante, que carrega o charme dos tempos antigos, é possível avistar alguns pontos da cidade, como o Vale do Anhagabaú e a Catedral da Sé e se deparar com uma paisagem fascinante do Farol Santander, quase vizinho. Reaberto em 2019, atualmente apenas visitas em grupos e pedagógicas estão em andamento.
Farol Santander: Rua João Brícola, 24 – Centro, São Paulo – SP / Edifício Martinelli: Rua São Bento, 405 – Centro, São Paulo – SP

Estação da Luz e Museu da Língua Portuguesa

entrada estacao da luz sao paulo
Fachada da Estação da Luz: nostalgia da arquitetura guarda uma estação de trem ativa e o Museu da Língua Portuguesa em seu interior / Foto: Daniela Filomeno

Historicamente importante e ainda ativa no centro de São Paulo, a Estação da Luz continua como uma das principais portas de entrada da metrópole. Cheia de personalidade, a estação foi aberta em março de 1901 e ocupa 7,5 mil m² do Jardim da Luz.

Por aqui já passaram empresários, diplomatas, intelectuais e imigrantes – que ajudaram a construir o que a capital é hoje – e atualmente circulam mais de 250 mil passageiros por dia útil, segundo o governo do estado. Apreciar seu interior é como viajar no tempo!

O ar nostálgico se dá pela arquitetura aos moldes de estações inglesas e só somos lembrados que estamos no século XXI pelo vai e vem de trens urbanos e de carga que passam por ali.

Anexo à estação fica o Museu da Língua Portuguesa, instituição superimportante de caráter cultural e educacional que foi reaberta neste ano após ser recuperada de um incêndio em 2015 – agora há novas alas e exposições, além de um terraço com vista para a torre do relógio e para o Jardim da Luz. Imperdível!
Praça da Luz, 1 – Luz, São Paulo – SP.

Pinacoteca do Estado de São Paulo

Entrada da Pinacoteca, cuja fachada e interior são preenchidos por tijolinhos aparentes / Foto: divulgação/Facebook

Sua localização possibilita fazer dois passeios em um: bem em frente à Estação da Luz, dá para fazer uma dobradinha na antiga sede do Liceu de Artes e Ofício, que abriga a Pinacoteca do Estado, o mais antigo museu de arte da cidade, fundado em 1905.

Projetado no século XIX pelo escritório Ramos de Azevedo, a construção ao lado da movimentada Avenida Tiradentes é memorável pelo estilo neoclássico com paredes em tijolos sem revestimento. Dentro, um riquíssimo acervo focado na produção brasileira do século XIX até a contemporaneidade pode ser calmamente apreciado por nós.

Dica: não deixe de checar as obras Antropofagia, de Tarsila do Amaral; Saudade, de Almeida Júnior e Mestiço, de Cândido Portinari, todas importantíssimas para a arte nacional.

Além do acervo fixo, a Pina, como é chamada carinhosamente pelos mais íntimos, tem abrigado prestigiadas exposições temporárias, como a recente OSGEMEOS, que ficou em cartaz até agosto passado, e mostras de Rodin em 2019.
Praça da Luz, 2 – Luz, São Paulo – SP.

Theatro Municipal de São Paulo

Exterior do Theatro Municipal de São Paulo, projeto de Ramos de Azevedo no centro inspirado nas grandes casas de ópera da Europa / Foto: Stig Lavour

É um verdadeiro marco de São Paulo. O Theatro Municipal é um dos principais palcos da cena artística e cultural da cidade: inaugurado em 1911, o projeto de Ramos de Azevedo continua conservado e ativo em sua programação. Sua arquitetura e decoração luxuosa, seguindo um estilo europeu cheio de pompa, já são suficientes para se encantar com o local, a exemplo da escadaria principal interior e também o grande salão que abriga o palco.

De importância imensurável para a arte e cultura, a Semana de Arte de 1922 ocorreu ali – Anita Malfatti, Mário e Oswald de Andrade marcaram presença. Atualmente, visitas educativas são realizadas mediante agendamento e óperas e outros espetáculos são parte da programação.

Além de todo interesse artístico, ali há um agito gastronômico com o Bar dos Arcos, inaugurado em 2018 no porão do Theatro. É como passar por um portal e descobrir um novo mundo logo abaixo de um dos principais palcos do mundo, com típicos arcos construídos com tijolos aparentes. Há drinks autorais e clássicos servidos no almoço, brunch e jantar.

Na saída do Theatro não deixe de dar uma passadinha na Praça Ramos de Azevedo, logo ao lado, em que as escadarias levam a Fonte dos Desejos e a esculturas centenárias em mármore, bronze e granito em homenagem às óperas de Carlos Gomes. A poucos passos do Theatro também fica o Viaduto do Chá, o primeiro viaduto da cidade, que faz a ligação entre uma São Paulo histórica e uma São Paulo moderna no Vale do Anhagabaú.
Praça Ramos de Azevedo, s/n – República, São Paulo – SP.

Pateo do Collegio

Patio do Colegio
Construção do Pateo do Collegio bem em frente à praça homônima: foi aqui que a cidade de São Paulo foi fundada / Foto: Wikimedia Commons

São 467 anos de história, a primeira construção erguida na cidade e que marcou o nascimento da capital paulista. O berço de São Paulo fica entre os grandes prédios do centro e pertence à Companhia de Jesus, ordem religiosa dos jesuítas, que fazia do local um centro de catequização.

Pode-se dizer que nestes quatro séculos o local já viu muita coisa: a missa em 25 de janeiro de 1554 que fundou o colégio e a cidade; a hospedagem de Dom Pedro I em sua passagem por São Paulo para declarar a Independência do Brasil e todo o desenvolvimento da metrópole como a conhecemos hoje.

Ótimo para uma visita cultural, o local é aberto ao público e conta com atividades religiosas ativas; seu interior guarda uma igreja, dois museus (o Anchieta, que resgata a importância do local, e o de Arte Sacra), uma biblioteca e o Café do Pateo, que serve cafézinho, pão e algumas delicinhas gourmet num ambiente tranquilo.

Uma boa dica para um passeio casado é passar também pelo Centro Cultural Banco do Brasil, a poucos passos do Pateo, na Rua Álvares Penteado. Relevante instituição cultural da cidade bem próxima ao metrô São Bento, o CCBB funciona desde 2001 num prédio histórico – e gracioso por dentro – comprado em 1923 pelo Banco do Brasil.

Em seu espaço de mais de 4 mil metros quadrados são sediadas exposições e eventos de artes cênicas, cinema, música e arte-educação. É um dos aparelhos culturais imperdíveis de se conhecer em São Paulo – fique de olho na programação oficial no site.
Pateo do Collegio: Praça Pateo do Collegio, 2 – Centro, São Paulo – SP / Centro Cultural Banco do Brasil: Rua Álvares Penteado, 112 -Centro, São Paulo – SP

Mercadão Municipal

mercadao de sao paulo
Interior do Mercadão Municipal de São Paulo, um dos principais mercados gastronômicos do Brasil / Foto: Wikimedia Commons

Quem nunca comeu ou pelo menos ouviu falar do sanduíche de mortadela do Mercadão que atire a primeira pedra. Mas, muito além do enorme sanduíche, o mercado municipal, inaugurado em 1933, enche os olhos de quem passa por ali com suas frutas exóticas, verduras, legumes, carnes, queijos doces e especiarias.

É uma mistura interessante de produtos e de vendedores, em que muitos deles ficam nas portas dos boxes anunciando as mercadorias. Um mezanino reserva surpresas gastronômicas agradáveis para quem passa por lá.

São bares e restaurantes que servem da feijoada ao bolinho de bacalhau, além de cervejas e chopp gelados. Seu interior é rodeado por vitrais e sua arquitetura arrojada também chama atenção de quem passeia pelo entorno.

Muito perto do Mercadão, do outro lado do Rio Tamanduateí, fica o Museu Catavento, espaço cultural dedicado à ciência. É um excelente programa para fazer junto das crianças, que têm diversão garantida com objetos interativos que despertam a curiosidade deles – e a nossa também!

Dividido em quatro seções (Universo, Vida, Engenho e Sociedade), o grande espaço fica no Palácio das Indústrias, antiga sede da Prefeitura de São Paulo. É especial passar tempo com os baixinhos enquanto todos se divertem – e aprendem – com objetos que desafiam leis da física e brincam com a ciência.
Mercadão Municipal: Rua Cantareira, 306 – Centro, São Paulo – SP / Catavento Cultural: Avenida Mercúrio, s/n – Parque Dom Pedro II, São Paulo – SP. 

Edifício Copan

edificio copan centro de sp
Curvas características do Copan, projeto de Oscar Niemeyer que configura na maior estrutura de concreto armado do país / Foto: Wally Gobetz

É uma verdadeira joia arquitetônica da cidade, um dos símbolos modernos mais fortes do país. Seja de carro ou a pé, é impossível passar pelo número 200 da Avenida Ipiranga sem se deparar com as curvas projetadas por Oscar Niemeyer na década de 1950.

Com 115 metros de altura e 32 andares, o gigante de concreto armado – o maior do tipo no Brasil – é dividido entre a parte residencial e comercial. Bem fotogênico, o Copan abriga em seu andar térreo várias lojinhas e restaurantes, como o concorrido Bar da Dona Onça, da chef Janaína Rueda, o agitado Orfeu, o novo Cuia e ainda o Fel, bar aos pés do edifício que traz clássicos da coquetelaria revisitados.

Lá no alto, a cobertura é aberta a visitações, em que se tem uma vista privilegiada e em 360 graus da capital – atualmente, as visitas estão suspensas por conta da pandemia.
Avenida Ipiranga, 200 – República, São Paulo – SP. 

Edifício Itália e arredores

Edificio italia visto do alto do copan
Edifício Itália visto do topo do vizinho, o Copan. Detalhe para os últimos andares do Itália, onde fica o mirante e o restaurante do Terraço Itália / Foto: Felipe Lange Borges

Também na Avenida Ipiranga, a poucos passos do Copan, outro ícone do centro marca presença pelo pedaço: o imponente Edifício Itália. Com 165 metros de altura, ele é o segundo mais alto da cidade – só perde para o Mirante do Vale, onde fica o Sampa Sky, outro passeio interessante pelo centro, ali pelo Vale do Anhagabaú. 

Batizado oficialmente de Circolo Italiano, são 46 andares, 19 elevadores, um teatro e uma galeria de arte, estes últimos localizados no térreo. Essencialmente comercial, o prédio acomoda o Terraço Itália no 41º andar, restaurante italiano que está ali há cinco décadas e hoje é comandado pelo chef toscano Pasquale Mancini.

O terraço é também formado por um mirante, que possui uma das vistas mais deslumbrantes da cidade. Ali do alto é possível ter uma visão incrível do centro até a Serra da Cantareira.

Os arredores da Avenida Ipiranga também são cheios de locais prontos para serem descobertos: há a Casa do Porco, premiado restaurante de Jefferson Rueda na Rua Araújo; a Praça da República e, a alguns passos, o famoso cruzamento entre a Ipiranga e a Avenida São João.

Para trás do Edifício Itália, na Avenida São Luís, a Biblioteca Mário de Andrade, principal da cidade, chama atenção pela sua imponência ao mesmo tempo que abraça os anexos modernos – vale ressaltar que a biblioteca possui mais de 3 milhões de itens e um respeitável catálogo de obras raras.
Avenida Ipiranga, 344 – República, São Paulo – SP. 

Caminhar sem pressa pelo Centro de São Paulo é um programa delicioso. Coloque um tênis ou sapato confortável, deixe as joias e objetos de valor em casa e aproveite!


Mais Recentes da CNN